Mídias Sociais

Esporte

Maracanã deve ser liberado para auxiliar no combate ao coronavírus

Sérgio Barcellos

Publicado

em

 

Tido como um dos principais palcos do futebol brasileiro e do mundo, o Maracanã deverá entrar em ação para lutar por uma nova causa: o combate ao coronavírus. O Governo do Rio de Janeiro deverá entrar em contato com Flamengo e Fluminense, que hoje administram o Estádio, para solicitar a liberação do mesmo para auxiliar nas medidas contra a disseminação do vírus. A informação foi divulgada pelo blog do Ancelmo Gois, do jornal O Globo.

De acordo com o blog, o Governo do Rio quer utilizar o Maracanã para a instalação de um hospital provisório. Ele seria utilizado para fazer um atendimento específico a pessoas contaminadas pelo coronavírus. Na manhã desta quarta, o Fluminense informou que ainda não havia sido notificado, mas que concorda com a liberação.

"O Fluminense Football Club ainda não recebeu nenhuma notificação do Governo do Estado quanto à utilização do Maracanã como hospital de campanha, mas está de acordo para utilização do estádio para esse fim", disse o clube por meio de um comunicado.

O Flamengo não chegou a se pronunciar de forma oficial sobre o caso, mas a tendência é que também concorde com a liberação. O Rubro-Negro já havia comunicado anteriormente que colocaria o Maracanã à disposição das autoridades, antes mesmo de um pedido oficial.

"O Clube de Regatas do Flamengo informa que colocou à disposição do Governo do Estado do Rio de Janeiro e da Prefeitura o Ginásio Hélio Maurício (por conta da proximidade ao Hospital Miguel Couto), na Gávea, para o combate ao coronavírus. O clube também está à disposição para ajudar em qualquer ação projetada para o complexo Maracanã/Maracanãzinho, pertencente ao Estado e hoje administrado por Flamengo e Fluminense", disse o Flamengo em comunicado publicado no último sábado.

A dupla Fla-Flu administra o Maracanã desde 12 de abril do ano passado, quando assinou com o Governo do Estado do Rio de Janeiro um termo de permissão para gestão do estádio por seis meses. O contrato foi renovado em outubro por mais seis meses, com duração até abril de 2020.

Foto: Alexandre Vidal

Mais lidas da semana