Mídias Sociais

Esporte

Jorge Jesus voltará para Portugal durante a quarentena do coronavírus

Sérgio Barcellos

Publicado

em

 

O técnico Jorge Jesus está de volta a Portugal. Mas não como se imagina. O treinador voltou ao seu país natal por conta da quarentena do coronavírus. Ele entrou em contato com a diretoria e pediu sua liberação, uma vez que as atividades no futebol estão paralisadas por conta da pandemia do vírus.

A diretoria do Flamengo agiu com bom senso e acabou liberando o treinador. Não há uma previsão para que Jorge Jesus retorne ao Brasil. O profissional agora irá aproveitar o recesso forçado para ficar perto de seus familiares.

"Estava à espera de uma decisão da diretoria, estudando e cuidando do planejamento de trabalho, mas, diante do adiamento de nossa volta às atividades, quero ficar ao lado de meus familiares nesse momento difícil, de enfrentamento de uma pandemia, que preocupa a todos nós. Rezo e torço para superarmos logo essa crise e eu poder voltar ao campo o mais breve possível", disse Jorge Jesus, através de sua assessoria.

O Flamengo comunicou no último fim de semana que o futebol profissional e a base estão suspensos por tempo indeterminado. A medida visa conter a disseminação do vírus. Inicialmente, o planejamento do clube era voltar com suas atividades nesta segunda-feira (23). No entanto, como o surto não passou e as autoridades seguem sugerindo a quarentena, a direção optou por manter a suspensão dos trabalhos.

Jorge Jesus chegou a testar positivo para o coronavírus em seu primeiro exame. O treinador então fez a contraprova, que acabou por descartar a doença. O português chegou a ficar isolado em seu apartamento no Rio durante o processo, até que recebeu a notícia de que o segundo teste deu negativo.

O treinador também negocia a renovação de contrato com o Flamengo. As duas partes parecem ter o mesmo desejo, mas por ora o principal entrave seria financeiro. Jesus fez uma pedida salarial considerada alta pelo clube, que tenta reduzir os valores. A paralisação por conta do coronavírus acabou por desacelerar as conversas e a tendência é que as partes voltem a negociar com maior frequência uma vez que a situação seja resolvida.

Foto: Alexandre Vidal

Mais lidas da semana