Mídias Sociais

Esporte

Bastidores da negociação de Paulinho com o Bayern Leverkusen

Sérgio Barcellos

Publicado

em

 

A transferência de Paulinho do Vasco para o Bayern Leverkusen pegou muita gente de surpresa. A venda do jovem de 17 anos foi considerada prematura por muitos, mas internamente ela foi vista como uma excelente oportunidade para sanar dívidas. O curioso é que a transferência aconteceu quase que por acaso.

Tudo começou quando Jonas Boldt, executivo do Leverkusen encontrou com o ex-jogador da seleção alemã Kevin Kuranyi em um hotel na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro. Em uma conversa informal, eles falaram sobre futebol e Kuranyi citou algumas das jovens promessas do futebol brasileiro. Entre os nomes, surgiu o de Paulinho.

A conversa acabou rendendo e pode ter sido o divisor de águas para a venda de Paulinho. Enquanto outros clubes iniciavam uma sondagem, Boldt já conduzia conversas avançadas com o Vasco desde o início de abril e isso pode ter sido determinante para o desfecho final e um dos motivos pelo qual o Leverkusen acabou desbancando grandes concorrentes, inclusive com poderio ofensivo maior que o clube alemão.

Outro fato inusitado é que a lesão de Paulinho pode ter facilitado o acerto entre as partes. Ao mesmo tempo em que ela afastou possíveis interessados, os representantes do Leverkusen aproveitaram a brecha para costurar o acordo. O clube alemão se aproveitou também da situação financeira delicada do Vasco para acelerar o acerto entre as partes. A diretoria do Cruz-Maltino se via pressionada por credores, principalmente por conta dos salários não estarem sendo pagos em dia. Diante da situação, os dirigentes acabaram optando por finalizar o acordo.

Antes de bater o martelo, Paulinho passou por exames com o Leverkusen, que obviamente, queria garantias sobre o investimento. O objetivo é que o jogador seja valorizado na Alemanha e renda lucros ao clube alemão em uma futura transferência. Enquanto a imprensa brasileira especulava sobre o retorno de Paulinho aos gramados, ele já estava com o contrato redigido com os alemães.

Foto: Carlos Gregório


 

Mais lidas do mês