Mídias Sociais

Economia

São João da Barra, Macaé e Campos lideram investimentos confirmados para a região nos próximos 3 anos

Publicado

em

 

Com investimentos previstos em 332,9 bilhões de reais nos próximos 3 anos, com 292 projetos, o Estado do Rio deve ter 91% desses investimentos, o equivalente a 301,4 bilhões de reais, injetados apenas no setor de Petróleo e Gás Natural, entre 2022 e 2024.

É o que aponta o “Mapa dos investimentos no Estado do Rio de Janeiro”, elaborado pela Federação das Indústrias do Estado do Rio (Firna), que mostra ainda que 13,4 bilhões de reais devem ser investidos na Região Norte Fluminense.

“Os números são auspiciosos no sentido da melhoria de visão dos empresários sobre o Rio de Janeiro. Trata-se de uma sinalização clara a respeito da recuperação e do potencial da economia de nosso Estado”, comentou o presidente da Firjan, Eduardo Eugenio Gouvêa Vieira.

De acordo com o mapeamento, o Norte Fluminense receberá um total de 22 projetos entre 2022 e 2024, com São João da Barra, Macaé e Campos dos Goytacazes sendo as cidades mais impactadas por esses projetos.

“A quantidade de investimentos coloca a região no patamar que ela merece, e confirma todos os estudos que a Federação vem divulgando ao longo do tempo. A pandemia pode ter atrasado alguns projetos, mas a retomada econômica e de empregos é uma realidade no horizonte, como mostra este mapeamento. Trata-se de uma notícia para renovar as esperanças para 2022 e os próximos anos”, comemorou o presidente da Firjan Norte Fluminense (Firjan NF), Francisco Roberto de Siqueira.

Segundo a Firjan, os destaques no mercado de Petróleo e Gás Natural são os projetos de exploração e produção de empresas como Petrobras, PetroRio, Shell e Equinor, além da construção de unidades estacionárias de produção para campos em território fluminense.

O 2º setor com maior previsão de investimentos no Estado do Rio nesse período, o setor de Infraestrutura receberá 13,6 bilhões em investimentos, sendo os principais relacionados a concessões e parcerias público-privadas (PPPs).

Já a Indústria de Transformação será responsável por 8,1 bilhões reais, com destaques para o Programa de Desenvolvimento de Submarinos da Marinha do Brasil (PROSUB), o Complexo Industrial de Biotecnologia em Saúde, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), e os investimentos de indústrias como Braskem, Nortec, Bayer e Volkswagen Caminhões e Ônibus.

Mais lidas da semana