Mídias Sociais

Economia

Firjan divulga estudo que mostra que preços de peças de vestuário devem estar mais altos nesse final de ano

Publicado

em

 

A Federação das Indústrias do Estado do Rio (Firjan) divulgou, nesta semana, os resultados de uma pesquisa que aponta que 6 em cada 10 indústrias do Estado ainda enfrentam dificuldades na compra de insumos e matérias-primas nacionais, o que encarece o preço final dos produtos que chegam ao consumidor.

Entre os setores mais impactados, está o setor têxtil, como mostra um estudo do Sindicato de Vestuário do Norte Fluminense (SindVest NF), que apresenta altas que ultrapassam os 100% nos preços de insumos e matérias-primas.

“Se no Natal passado faltavam algumas cores específicas, hoje há uma escassez generalizada que vai impactar diretamente no preço final. No início da pandemia ainda havia estoque, mas hoje toda a economia está muito desarticulada. E o setor têxtil nacional ainda precisa de produtos importados, como fios, elásticos e pigmentos, mas o mercado externo também não recuperou sua atividade plena”, explicou Luiz Damião, vice-presidente da Firjan Norte Fluminense (Firjan NF) e presidente do SindVest NF.

Vice-presidente do SindVest NF, Monalisa Crespo conta que alguns fornecedores estão recusando novos clientes devido à escassez de insumos, o que, junto com o alto preço do frete, também acaba encarecendo o preço final do produto para o consumidor.

“Alguns fornecedores pararam de fabricar em agosto e não atendem mais novos clientes, de modo que a alta nos preços dos insumos já passa de 100%. Uma malha que custava 40 reais, hoje está 89 reais. E até as importadoras estão com dificuldade devido ao custo do frete. Os contêineres com insumos da China, cujo aluguel custava 1.600 dólares, hoje estão a 11.900 dólares. Então os clientes vão sentir um pouco dessa alta no Natal e no Ano Novo”, afirmou Monalisa Crespo.

Batizado “Sondagem Especial de Fornecimento de Insumos e Matérias-primas”, o estudo da Firjan foi realizado em novembro desse ano, e mostra que 64,7% das indústrias fluminenses relatam que ainda enfrentam dificuldades na compra de insumos e matérias-primas nacionais, mesmo pagando mais caro pelos produtos.

Ainda segundo estudo, o número de empresas do Estado que sofrem com os problemas econômicos da gestão do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e do Ministro da Economia, Paulo Guedes, é ainda maior, com 73,2% das empresas fluminenses sendo impactadas pelos preços de insumos e matérias-primas estrangeiros.

“Os dados indicam o quanto os efeitos da pandemia e a alta global de preços ainda permanecem como um grande desafio. Mas a expectativa é de que, em 2022, esta situação que se arrasta há 2 anos seja, enfim, reequilibrada”, comentou o presidente da Firjan NF, Francisco Roberto de Siqueira.

De acordo com a Firjan, a expectativa de 60% dos empresários é de que a normalização da oferta ocorra no 1º semestre de 2022, com a proximadamente 13% dos entrevistados esperando a normalização no 2º semestre e, 20%, acreditando que essa melhora deve acontecer somente em 2023.

“Apesar das dificuldades, notamos que novas empresas estão chegando ao mercado, e há um esforço grande em busca dos fornecedores que melhor se prepararam para este período, já com base na experiência do último fim de ano pandêmico”, concluiu Monalisa Crespo.

Mais lidas da semana