Mídias Sociais

Destaque

Petrobras volta a fazer anúncio sobre preço de combustíveis, dessa vez com alta

Avatar

Publicado

em

 

Depois de reajuste no preço da gasolina e do diesel, empresa anuncia aumento

 

Foto: Reprodução

 

 

 

Tunan Teixeira

 

Desde a última terça-feira, 4, os preços médios da gasolina e do diesel nas refinarias da Petrobras sofreu um aumento, segundo informou a empresa. A gasolina teve alta de 1,8%, enquanto o aumento do preço médio do diesel ficou em 2,7%.

A empresa, que comunicou o aumento na última segunda-feira, 3, não detalhou os motivos para o novo reajuste, primeiro após a revisão feita em sua política de preços na semana passada, que busca aumentar a frequência de reajustes em uma tentativa de retomar participação de mercado.

A partir de agora, segundo a estatal, os preços dos combustíveis poderão cair ou subir diariamente. O motivo, de acordo com a empresa, é reduzir as oportunidades de importação de combustíveis por terceiros, que vêm roubando mercado da produção das refinarias da Petrobras.

Na semana passada, a Petrobras anunciou uma revisão em sua política de preços do diesel e da gasolina, dando certa liberdade para que a área de marketing e comercialização da empresa reajustasse as cotações na refinaria de forma mais frequente, inclusive diariamente.

O objetivo era buscar maior competitividade e recuperar receita e participação de mercado, já que devido ao aumento das importações de combustíveis, distribuidoras concorrentes vêm ganhando mercado da estatal.

Os ajustes de preços de combustíveis passarão a ser divulgados através do site www.petrobras.com.br/precosdistribuidoras e nos canais internos de comunicação aos clientes.

O último reajuste foi feito apenas 3 dias depois da Petrobras promover um reajuste que reduziu os preços médios da gasolina em 5,9% e do diesel em 4,8% no último sábado, 1 de julho.

A empresa explicou que, a partir da nova orientação, a área técnica de marketing e comercialização pode realizar ajustes sempre que achar necessário, dentro de uma faixa de 7% para alta e queda, sempre considerando a porcentagem sobre os preços vigentes dos derivados nas refinarias.

Mais lidas da semana