Mídias Sociais

Cultura

Sesc Verão Rio das Ostras recebe, neste final de semana, Toni Garrido e Diogo Nogueira

Daniela Bairros

Publicado

em

 

Ex-vocalista da Banda Cidade Negra sobe ao palco da Praia de Costazul neste sábado (02). Sambista Diogo Nogueira se apresenta no domingo (03).

Daniela Bairros

O palco instalado ao lado do Emissário Submarino, na Praia de Costazul, em Rio das Ostras, recebe neste final de semana, duas grandes feras da música brasileira: Toni Garrido e o sambista Diogo Nogueira. São as atrações do Sesc Verão Rio das Ostras 2019.

O ex-vocalista da Banda Cidade Negra sobe ao palco da Praia de Costazul neste sábado (02) às 21h. No domingo (03) é a vez do sambista Diogo Nogueira se apresentar também às 19h.  As atividades do Sesc Verão segue até o dia 24 de fevereiro.

Sobre Toni Garrido

Filho de mãe negra e pai branco, descendente de índios, caçula de três irmãs, sua mãe biológica Teresa Silva trabalhava de empregada doméstica na casa de Ofélia Garrido, mulher que vendo às dificuldades de Teresa, acabou criando Toninho ( Toni ). A família "Garrido" pertencia a classe média de Copacabana, sua mãe adotiva , Ofélia o matriculou numa escola onde deu a oportunidade de Toni estudar e correr atrás de seus sonhos. Toni começou a tocar violão e cantar durante encontros de jovens na igreja, e devido à aceitação e liberdade para se expressar, descobriu que queria trabalhar com música. Toni iniciou no mundo da música como vocalista da extinta Banda Bel, onde chegou a emplacar o sucesso "Romário", também em homenagem ao artilheiro. Em 1994, durante o período em que o então vocalista do Cidade Negra, Rás Bernardo, saiu do grupo, foi convocado para substituí-lo. A partir de sua entrada, o Cidade encaminhou para um perfil melodicamente mais pop e de igual maneira dançante, mas sem fugir ao universo do reggae. Conclusão: fez do Cd "Sobre Todas as Forças" campeão de vendas, atingindo 800 000 cópias, estourando músicas como "Aonde Você Mora", "Pensamento" e "Doutor".

Toni continuou se destacando a frente do grupo Cidade Negra e no disco "O Erê", lançado em 1996, emplacou o Cd Duplo de Platina, onde o público descobriu pérolas como a música "Firmamento", "Realidade Virtual" e "O Erê". Dois anos depois foi lançado o CD Quanto Mais Curtido Melhor e Toni começou a se dedicar também ao cinema, sua segunda paixão. Já em 1999 atuou como ator no filme de Cacá Diegues, "Orfeu", além de ter cantado na trilha. Outra canção que, claro merece destaque é "Solteiro no Rio de Janeiro", da trilha sonora do filme "Como ser Solteiro", sua primeira aparição solo. Em 2000, foi à Europa para o lançamento de "Dubs", o primeiro lançado no Brasil, um acontecimento histórico na nossa música que, juntamente com o álbum "Hits", vendeu mais de 300 mil cópias. No ano de 2002, comemorando 15 anos de carreira, lançaram o Acústico MTV, com participação de Gilberto Gil na releitura de "Extra" tendo duas inéditas, "Berlim" e "Girassol". Além disso, apresentou ao lado de Angélica o programa Fama na Rede Globo. Após esse período, além de cantor, ator e apresentador, ele também trabalha para aventurar-se na direção de um filme. Em 2007 Toni Garrido foi convidado a participar do CD e DVD Roupacústico II do sexteto carioca Roupa Nova. Toni fez dueto com o Roupa Nova na canção Sensual dividindo os vocais com Ricardo Feghali. Em julho de 2008 Toni Garrido deixou o Cidade Negra para se dedicar à carreira solo, retornando a banda entre o final de 2010 e o início de 2011.

Em 2018, ao lado do baixista de Nando Reis, Felipe Cambraia e do saxofonista George Israel (ex-Kid Abelha) criou o grupo Black Carlos, que toca canções nos estilos funk e soul da dupla Roberto e Erasmo Carlos.

Diogo Nogueira

Esteve nas rodas de samba do pai ao longo de toda a infância e adolescência, mas virou jogador de futebol, seguindo uma vontade do pai, o músico João Nogueira. Diogo Nogueira chegou a atuar pelo Cruzeiro de Porto Alegre, em 2005, após se destacar em jogos da várzea carioca. Ele assinaria um contrato com o empresário Baidek, mas teve uma lesão no joelho e voltou ao Rio de Janeiro. Novamente na sua terra natal, Diogo passou a frequentar rodas de samba e formou uma banda própria. Também assinou contrato com a gravadora EMI. Com o álbum "Diogo Nogueira Ao Vivo", Diogo se lançou na carreira de cantor solo.

O álbum conta, em sua maioria, com sambas compostos por João, como "Espelho", "Poder da Criação" e "Clube do Samba". Mas possui também canções compostas por Diogo, como "Samba pros Poetas.  Diogo Nogueira conseguiu o que seu pai nunca havia conseguido na Ala de Compositores da Portela.

Emplacou o samba que foi cantado na Avenida no Carnaval 2008. Ao lado de outros nomes, Diogo compôs "Reconstruindo a natureza, recriando a vida: o sonho vira realidade". A agremiação tirou o 4º lugar e voltou para o Sábado das Campeãs, após 10 anos  ausente. Desde lá ganhou várias vezes consecutivas na Portela.

Em 2010, ganhou o prêmio de Melhor Artista ou Banda de MPB no VMB 2010. É apresentador do programa Samba na Gamboa, na TV Brasil e na TV Cultura. Em 2012, Diogo lançou a coletânia Samba Book - João Nogueira em homenagem à obra de seu pai.

Crédito: Divulgação

 

Mais lidas da semana