Mídias Sociais

Cidades

Tempo úmido favorece aparecimento de caramujos africanos em Cabo Frio

Publicado

em

 

O tempo mais úmido e as chuvas registradas neste temporada são o clima perfeito para o aparecimento de caramujos africanos. A Coordenadoria de Vigilância em Saúde Ambiental de Cabo Frio está atenta ao aparecimento desses animais, que podem transmitir verminoses aos seres humanos.

De acordo com a Vigilância em Saúde Ambiental, nos últimos dias foram recebidas duas ocorrências de surgimento de caramujos africanos, uma no bairro Jacaré e outra na Ogiva. As ocorrências foram atendidas, mas fica o alerta.

“Com o período de chuvas de verão, as condições climáticas são favoráveis à sobrevivência desse animal, já que encontram aumento da oferta de abrigo e de alimento. Para conter o avanço do molusco, além das ações desencadeadas pelo setor público, é fundamental o apoio da população quanto ao asseio dos ambientes e forma correta de descarte de lixo, por exemplo. É recomendado manter os quintais e terrenos limpos, pois geralmente são nesses locais que os caramujos se escondem”, explicou a coordenadora.

Ao encontrar os animais, a população deve entrar em contato com o órgão pelo telefone 2644-7916 ou informar diretamente na sede da Vigilância, no Jardim Flamboyant, o endereço completo do imóvel onde tenham sido encontrados os caramujos.

 

Sobre o caramujo - Os caramujos africanos (Achatina fulica) passam ao ser humano verminoses conhecidas como angiostrongilíases por meio do muco que produzem para se deslocar ou por meio da ingestão de verduras e hortaliças sujas com o muco do caramujo.  Por esse motivo, a orientação para a população é nunca tocar nestes animais sem luvas ou sacos plásticos nas mãos e a realizar a higienização adequada das mãos após eventual contato com o animal, tanto quanto dos alimentos.

Apesar da possibilidade de transmissão dessas verminoses, não há registro da doença em Cabo Frio até o momento.

A forma mais adequada de se eliminar os caramujos africanos é por meio do controle mecânico, que consiste na catação manual destes animais. Após proteger as mãos para pegar os moluscos, a recomendação é acondicioná-los em um saco de lixo e jogar dentro do saco sal em quantidade abundante para matar os moluscos.

A coleta manual deve ser feita periodicamente até eliminar a infestação do local. Orientação importante é não jogar sal grosso diretamente nos caramujos livres, pois além de contaminar o solo, as conchas sobrarão no ambiente e se encherão de água de chuva, favorecendo a proliferação do mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, zika, chikungunya e febre amarela urbana.

Já os alimentos que entraram em contato com caramujos devem ser descartados e os demais, antes de serem consumidos, devem ser desinfetados com solução de água sanitária da seguinte forma: lavar bem o alimento em água corrente, colocar de molho por trinta minutos em uma solução de água com água sanitária (01 colher de sopa de água sanitária para cada litro de água) e lavar novamente em água corrente.

Mais lidas da semana