Mídias Sociais

Cidades

Tamoios, segundo distrito de Cabo Frio, totalmente às escuras

Avatar

Publicado

em

 

Quem vem pela Rodovia Amaral Peixoto de Macaé sentido Cabo Frio depois que anoiteceu sabe que chegou ao segundo distrito de Cabo Frio – Tamoios, quando observa uma verdadeira escuridão. Alguns acham que a falta de iluminação se restringe a via que corta o distrito, mas se enganam, afinal, acreditem, a coisa consegue ficar ainda pior quando se recorrer as vias laterais, as ruas de acesso aos bairros ou a orla.

Na Rodovia Amaral Peixoto, o problema ganha mais destaque porque está mais visível, até mesmo por quem só está de passagem. Situação, que causa muito medo a quem precisa transitar pelo local, seja pedestre ou motoristas.

O motociclista Paulo Henrique, afirma que sempre que pode evita utilizar a Rodovia no período da noite, já que o trecho é reconhecido pela grande quantidade de acidentes e no período noturno o risco é muito maior. “Com a escuridão é comum, que muitos motoristas utilizem o farol alto, isso muitas vezes atrapalha quem vem na mão oposta, que acaba não conseguindo ter uma visão ampla de tudo, isso sem falar na falta de sinalização, que faz com que muitos pedestres atravessem na pista escura, sem nenhuma segurança”, comentou.

Quem é comerciante no distrito também é impactado pelo problema, principalmente, por conta da violência urbana, que cresce a cada dia e todo cuidado é pouco. O casal proprietário de um estúdio de Pilates, Fabiola e Marcelo, são um exemplo do impacto que a falta de iluminação causou ao seu serviço.

“Nós tínhamos a intenção de funcionar até um pouco além do horário comercial, porque tem muita gente que trabalha o dia todo e quer fazer uma atividade física após o expediente, mas infelizmente, não está sendo possível, já que muitas pessoas ficam com receio de se expor mais tarde em andar e atravessar essa Rodovia. É uma situação bem complicada, já que pagamos caro na taxa de iluminação pública”, comentou Fabiola Albuquerque.

Recentemente, a Prefeitura chegou a alegar que não é de sua responsabilidade a manutenção da iluminação da Rodovia, e sim do Diretório de Estradas de Rodagem - DER-RJ, porém, os atuais ‘super postes’, que existem na Rodovia foram instalados pelo Prefeito Alair Corrêa, em uma gestão anterior; Inclusive, especialistas afirmam que esses postes, mesmo se funcionassem, não são apropriados para atender a demanda de uma Rodovia de grande fluxo, pois sua altura reduz a iluminação. Além disso, no ano passado após muitas reclamações e acidentes, a Prefeitura fez a manutenção da iluminação, o que precisa urgentemente ser refeito.

Mas, quem acha que o problema só existe na Rodovia, se engana. Nas vias laterais não há se quer postes para iluminar o local. Sem a iluminação da Rodovia, o logradouro fica totalmente às escuras, é preciso contar com o farol, e o pedestre com a sorte.

A moradora da Rua dos Macacos, Milene Carneiro, lamenta a situação, pois fica limitada até mesmo de usar a ciclovia depois que o sol não está mais presente para iluminar. “Eu acho um absurdo, a Prefeitura diz que não é responsabilidade dela iluminar a Rodovia, tudo bem, mas não é responsabilidade dela iluminar nada? Porque é isso que parece. Afinal, essa via lateral não tem iluminação, se também não tem na Rodovia, como fazemos para andar?”, questionou.

A iluminação da via lateral é uma das promessas engavetadas pela atual gestão municipal. No ano passado, em uma reunião com uma comissão de moradores, o Prefeito Alair Corrêa, deu o prazo de 15 de agosto para que a obra fosse realizada, o que é claro não aconteceu.

 

Orla – turismo na escuridão -  A Orla de Tamoios, que é um dos poucos lugares que o turista pode aproveitar no distrito, também sofre com problemas de iluminação. Apesar do grande investimento realizado no final de 2014 para a instalação de novos postes em toda a orla, pouco mais de um ano depois, a maioria dos postes já apresentam problemas na estrutura. Alguns estão enferrujados, outros corroídos, isso sem falar, é claro, naqueles que não acendem. Existem diversos trechos intercalados, onde as lâmpadas não funcionam.

Quem vem visitar a localidade, se sente desmotivado com o problema. “Temos orlas bonitas na Praia do Forte, por exemplo, assim como em cidades vizinhas como Búzios, então, sem dúvida preferimos ir passear em outras localidades do que ficar em uma orla escura e abandonada”, lamentou Antônio, que veio visitar um parente na Região;

Quem sofre com isso, mais uma vez é o comerciante que não consegue ter o lucro esperado. “Estamos há pouco tempo trabalhando em um quiosque e já percebemos que a noite, são poucas as pessoas que transitam pela orla, são muitos pontos escuros, e não temos nada que atrai nem o turista, nem o morador”, lamentou o comerciante.

 

 Ruas dos bairros de Tamoios – Se nos pontos de entrada e turísticos, a situação já é ruim, não queira imaginar o que será possível encontrar nas ruas dos bairros de Tamoios. Não é preciso selecionar uma rua ou outra, tão pouco um bairro ou outro para encontrar novamente, o problema da falta de iluminação. Em praticamente todas as ruas, a minoria dos postes possuem lâmpadas que funcionam, e não adianta muito reclamar com os responsáveis. Há diversos relatos de pessoas que ao tentarem pedir uma solução para este problema, saíram com respostas incoerentes, ignorantes ou mesmo sem se quer conseguir fazer sua reclamação.

A pior parte da história, é que a iluminação acarreta outros problemas. Em bairros, onde a pavimentação não chegou como é o caso da Terra Mar, os moradores precisam contar muito com a sorte para não cair em um dos buracos da rua, principalmente, quando chove. Já em outras ruas, a escuridão tem servido de abrigo para marginais se esconderem e atacarem a população.

Na Rua 12, cansados do tamanho descaso, os moradores se reuniram e realizam o trabalho por conta própria. Em parceria conseguiram um caminhão e um técnico e pagaram para o serviço acontecer. “A verdade é que esse Governo está falido. E não adianta mais brigar ou reclamar porque eles não se importam, e nada vai mudar. Agora é esperar alguns meses para esse governo sair e entrar outro, que esperamos que seja melhor”, falou indignado Marcelo.

 

 

Contribuição e iluminação pública – O que chama atenção é que a desculpa da Prefeitura de Cabo Frio para todos os problemas, não é válida neste caso, já que os moradores pagam uma taxa mensal, que é exclusiva para esse serviço.

A CIP – Contribuição de Iluminação Pública é um tributo definido no Art. 149-A da Constituição Federal de 1988. Através de lei, o município pode arrecadar a CIP dos proprietários de imóveis e consumidores de energia elétrica, com a finalidade de custear a operação, manutenção, expansão e o consumo de energia elétrica dos serviços de iluminação pública prestados pela prefeitura local. A lei municipal estabelece ainda a forma, a classe de consumo e os valores cobrados dos contribuintes.

Assim, mediante a assinatura de um convênio entre a prefeitura e a concessionária distribuidora de energia elétrica, os valores arrecadados são transferidos mensalmente ao município, entidade responsável pela aplicação dos recursos repassados oriundos da arrecadação.

Entramos em contato com a Prefeitura de Cabo Frio para ter informações sobre a arrecadação da contribuição e do investimento, porém, a comunicação informou que precisa de mais tempo para obter essa informação, o que deveria ser de fácil acesso para todos.

 

Mais lidas da semana