Mídias Sociais

Cidades

Semáforo solar portátil instalado na BR 101, em Macaé, ajuda no controle do trânsito no trecho

Avatar

Publicado

em

 

João da Mata Ribeiro Neto, sócio da empresa Damata, mostra o semáforo solar e portátil

Engenheiro Raphael Thuler

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Daniela Bairros

Uma das rodovias de maior fluxo de trânsito no país, BR-101, que o Rio de Janeiro ao Espírito Santo, recebeu, recentemente, dois semáforos alimentados por energia solar. Os equipamentos estão instalados no KM 159 da rodovia, em Macaé, e estão em funcionamento desde o último dia 05 de março. O objetivo é controlar o trânsito no trecho.

O engenheiro Raphael Thuler, sócio da Novacap Engenharia e responsável pelas obras no local, explicou que a opção pela instalação do semáforo solar foi uma orientação da Auto Pista Fluminense e da Polícia Rodoviária Federal para oferecer maior segurança aos usuários da estrada e aos trabalhadores que dia e noite atuam no loca.

A Novacap foi contratada pela Auto Pista Fluminense para a realização da obra, visando substituir os bueiros metálicos de drenagem da rodovia. “Estamos realizando a obra próximo à Termelétrica de Macaé. O bueiro estava se rompendo, o que poderia levar a interdição total da estrada. A obra está sendo feita em um trecho de pista simples mais o acostamento. Programamos os semáforos solar no sistema pare e siga, interrompendo o trânsito um pouco em cada mão de direção, que no local tem grande fluxo de veículos”.

O Semáforo Solar para Obras foi desenvolvido pela Damata Solar, empresa de São Paulo, com controle de tempo automático, que alterna o sinal verde e vermelho em cada extremidade do espaço em obras, evitando que várias pessoas fiquem ao longo da estrada agitando bandeiras, de modo a alertar os usuários da estrada de que há interdição do trânsito à frente.
Segundo Raphael Thuler, a instalação dos semáforos, além de garantir a segurança de motoristas e trabalhadores, reduziu em 50% o número de funcionários que ficava disponível apenas para controlar o tráfego de veículos. “Sem o semáforo , a Novacap precisava de um operador de bandeirinhas em cada lado do fluxo de veículos, 24 horas por dia, o que exigia oito funcionários para controlar o sistema. "Com o semáforo portátil solar estamos utilizando apenas uma pessoa por turno para cuidar de cada semáforo, que reduz para quatro o número de funcionários necessários”. Ele explicou também que estes funcionários não ficam expostos aos riscos de acidentes, pois eles apenas supervisionam os equipamentos, ficando numa área mais recuada da pista.

Thuler comentou também que a obra na rodovia é preventiva e tem por objetivo não interromper o fluxo de veículos. “O semáforo solar é importante para auxiliar no controle de trânsito em uma área rural que não conta com energia elétrica. A bateria solar tem capacidade para durar até sete dias sem a luz do sol, no entanto, isso ainda não foi possível de comprovar, pois ela tem sido carregada normalmente durante o dia e funciona a noite inteira sem problemas”, afirmou.

O equipamento desenvolvido pela Damata Solar pode ser regulado de acordo com a necessidade. Thuler afirmou que o investimento no equipamento valeu a pena, pois reduziu o número de trabalhadores para controlar o fluxo de veículos e também reduziu o risco de acidentes destes funcionários. “O semáforo solar tem um sistema de programação que permite que o sistema pare e siga funcione com regularidade, garantindo o fluxo dos veículos pela rodovia. Diante do resultado obtido até agora eu indicaria o sistema para outras empresas de engenharia e concessionárias”.
Ele acredita que poderá fazer essa indicação com mais garantia dentro de um mês. “Dentro de 30 dias poderei dar uma opinião mais segura”. No entanto, afirmou que até por uma questão de segurança dos funcionários e também dos motoristas, aconselha as demais construtoras a usar o semáforo solar para a realização de obras onde não há fornecimento de energia elétrica.

Segundo João da Mata Ribeiro Neto, de 64 anos, sócio da empresa Damata Solar e técnico eletrônico e Bacharel em Direito, a iniciativa de criar o semáforo solar portátil surgiu de uma solicitação de uma empresa do ramo de agroindústria. " Fizemos o nosso primeiro semáforo solar, depois observamos que em algumas obras haviam semáforos só alimentados à bateria. Depois de parar em uma obra viária para conversar com o encarregado da fiscalização, perguntei sobre o motivo pelo qual o semáforo não ficava aceso durante o dia, ele me explicou que era uma forma de economizar bateria. Assim, mais uma vez, surgiu a deixa para o desenvolvimento de semáforos alimentados por energia solar.
Desenvolvemos inicialmente um semáforo com dois focais amarelo-piscante instalado num tripé escalonado na altura e de fácil locomoção. A eletrônica e a placa fotovoltaica fica num carrinho de fácil transporte e a sua instalação não leva mais que cinco minutos e pode ser realizado por qualquer pessoa sem o mínimo conhecimento técnico", explicou.

Ainda por solicitação de alguns clientes, a empresa desenvolveu um kit com dois semáforos , com três focais, cada um para usar em obras de rodovias quando existe a necessidade de se operar no sistema “Pare e Siga”.

O Kit é composto de placa fotovoltaica, banco de baterias, eletrônica do sistema, programador semafórico micro processado, além dos semáforos.
O cliente já recebe o Kit com a programação de tempo desejada para cada sentido, também pode fazer a alteração do tempo de duração da mudança de fases caso haja necessidade.

"Desenvolvemos projetos personalizados de acordo com a necessidade de cada cliente. Outro produto de nossa linha são as birutas, também conhecidas como “Direcionador de Vento”, que também tem como base a iluminção solar. Estas Birutas Solares são utilizadas em aeródromos, fazendas, mineradoras e em locais prejudicados pela ausência de energia elétrica, ressaltou.

Além do desenvolvimento de produtos com foco nas energias renováveis, a Damata Solar comercializa sinalizadores, em sua maioria solar, para uso em torres, aeródromos, heliportos, embarcações, edifícios, indústrias, rodovias, hidrovias, pontes, píeres, etc.

Créditos: Divulgação

Mais lidas da semana