Mídias Sociais

Cidades

Aumento de pessoas com mal-estar na Região dos Lagos pode estar ligado a fator climático

Thaiany Pieroni

Publicado

em

 

As altas temperaturas, que vem atingindo a Região dos Lagos, durante todo o mês de janeiro, podem ter sido um dos principais motivos do aumento nos registros de pessoas relatando mal-estar.

De acordo com os dados divulgados pela coordenadoria de Vigilância em Saúde Ambiental de Cabo Frio, somente no 2º Distrito, na primeira semana do ano, ocorreram 53 notificações de casos semelhantes. Neste período é normal um número mais alto de atendimentos pelo fato das temperaturas estarem mais elevadas e haver maior número de visitantes. Esse número reduziu na semana seguinte, quando foram registradas 35 notificações, na terceira semana 28 notificações e na última semana 30 notificações.  Porém, de acordo com o setor, só é considerado surtos e epidemias um número acima de 80 notificações.

Segundo a Coordenadora de Vigilância em Saúde Ambiental de Cabo Frio, Andreia Nogueira, dois fatores estão ligados a esse cenário. "Não houveram surtos, na verdade esse aumento das notificações está mais ligado ao fator climático e temporada de férias onde nossa população local quadriplica,  como todos os anos", explicou Andreia.

Muitas pessoas chegaram a levantar a hipótese da água fornecida pela Prolagos ser a razão do problema. Diante desta possibilidade a coordenadoria de Vigilância em Saúde Ambiental de Cabo Frio realizou a coleta de amostras de água em vários bairros e endereços no segundo distrito para acompanhar esse aumento de notificações. Nesta primeira etapa, todas as amostragens tiveram o resultado normal relacionados aos fatores físicos e químicos,  faltando apenas o resultado microbiológico. Esse procedimento também será realizado no Recanto das Dunas, Vila do Sol e Praia do Siqueira.

Antes desta informação, a Prolagos já havia garantindo que a água fornecida passa por um rigoroso controle de qualidade e atende a todos os parâmetros de potabilidade estabelecidos pelo Ministério da Saúde, que determina os padrões de qualidade da água para consumo humano no Brasil. A empresa disse ainda que diariamente realiza análises em diversos pontos do sistema, desde a captação até a distribuição de água, garantindo assim a manutenção da potabilidade em toda a área de concessão. Ao fim do mês são totalizadas, em média, 5.500 análises.

Diante dos dados a Coordenadora de Vigilância em Saúde Ambiental, Andreia Nogueira, reforça alguns cuidados que podem ser tomados para evitar esse mal-estar. " Evitar alimentos gordurosos, muito condimentados, frituras porque a temperatura mexe com a composição dos alimentos, então a recomendação é de que a alimentação seja mais leve, que haja mais ingestão de líquidos e consumo de frutas", lembrou Andreia que também citou a limpeza caixas D'água e Reservatórios.

"A manutenção de caixas de água e reservatórios é muito importante, pois a falta dela pode ocasionar diversos problemas de saúde. Alguns, inclusive, podem não ser facilmente identificados. Até mesmo a OMS (Organização Mundial da Saúde) recomendou que exista uma periodicidade para a limpeza de qualquer tipo de reservatório de água, que precisa ser realizada no mínimo a cada seis meses. Além da limpeza é preciso realizar a desinfecção dos reservatórios domiciliares", finalizou.

 

 

 

Mais lidas da semana