Mídias Sociais

Caderno D

Restaurante em Rio das Ostras faz tributo aos Mamonas Assassinas

Avatar

Publicado

em

 

Quem se lembra de Pelados em Santos? Robocop Gay? Sabão Crá Crá? Esses foram os sucessos da Banda Mamonas Assassinas que estouraram nos anos 90 e que teve uma rápida carreira e um trágico fim.

Pensando em homenagear essa banda que embalou “festinhas”, churrascos na “laje” e agradava à todos, inclusive a criançada, é que o Restaurante Traineira em Rio das Ostras, apresenta a banda (sósia) Marloko numa noite de pura irreverência.

O show está marcado para o dia 06 de outubro, às 20h30 nas dependências do restaurante que fica na Avenida Amazonas, 224, no Bairro Balneário Remanso em Rio das Ostras. Com a realização do Amigos da Bossa, no Show da Alegria, o “Revivendo Mamonas Assassinas” irá sem dúvida, matar a saudade desses cinco artistas que mudaram o estilo “comportado” da música pop.

Quem viveu aquela época ou quer conhecer esse estilo de música, podem adquirir os ingressos que já estão à venda. Antecipados custam R$ 30 reais e podem ser encontrados nos postos de vendas: Loja Cravo, Padaria do Juarez, Loja ArtManha, Pousada Sonho Verde e no próprio Restaurante Traineira.

Acidente
O tempo estava fechado na Grande São Paulo na noite de 2 de março de 1996, um sábado. Uma espessa neblina cobria parte da Serra da Cantareira quando, por volta das 23h15, um jato executivo Learjet avançou por sobre as árvores, atravessou a cortina de névoa fria e colidiu na mata. Os nove ocupantes morreram: os dois tripulantes, um segurança, um assistente de palco e os cinco jovens músicos dos Mamonas Assassinas.

Alecsander Alves (Dinho), de 24 anos, vocalista e líder da banda; Alberto Hinoto (Bento), de 26, guitarrista; Júlio Cesar Barbosa (Júlio Rasec), de 28, tecladista; e os irmãos Samuel e Sérgio Reis de Oliveira (Samuel e Sérgio Reoli), de 22 e 26, respectivamente baixista e baterista, voltavam de um show em Brasília, o último de uma exaustiva turnê pelo país.

No mesmo avião estavam o piloto, Jorge Martins, o copiloto, Alberto Takeda, e dois funcionários da banda: o segurança Sérgio Saturnino Porto e o roadie (e primo de Dinho) Isaac Souto.

Naquele dia e na semana seguinte, milhões de fãs choraram o fim da banda, que havia estourado em 1995 e vendeu, em nove meses apenas, mais de 1,2 milhão de discos, segundo o produtor musical dos Mamonas, Rick Bonadio. “Ganharam disco de diamante na época. Hoje já passam de 5 milhões de cópias.”

Até chegar ao público (a maioria infantil), com suas letras cheias de duplo sentido e arranjos que variam do rock pesado ao forró, o caminho dos cinco jovens foi cheio de desafios, muitos deles infrutíferos, mas com humor e perseverança.

 

Esio Bellido

Foto: Divulgação

 

Mais lidas da semana