Mídias Sociais

Caderno D

Casa da Flor se transforma em patrimônio nacional nesta quinta (15)

Avatar

Publicado

em

 

A Casa da Flor é um dos principais patrimônios artísticos de São Pedro da Aldeia, na Região dos Lagos e hoje (15), será tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) se transformando também em patrimônio nacional.

A cerimônia será realizada na sede do Iphan em Brasília com a participação da presidente da Casa da Flor, Amélia Zaluar.

A Casa da Flor foi construída entre 1912 e 1985 por Gabriel Joaquim dos Santos. A partir de 1923, após um sonho do artista, passou a ser acrescida aos poucos, de objetos encontrados no lixo, como cacos de cerâmica, de louça, de vidro, de ladrilhos, pedrinhas.

Objetos descartados também foram usados, como lâmpadas queimadas, conchas, correntes, tampas de metal, manilhas e faróis de automóveis. Aos poucos foram formadas flores, folhas, cachos de uvas, colunas e escultura formando mosaicos. A obra pode ser incluída entre os artistas/arquitetos como Ferdinand Cheval, na França; Antoni Gaudi, em Barcelona; Antônio Virzi, no Rio de Janeiro, com arquitetura orgânica e surreal.

De acordo com o chefe do escritório da Região dos Lagos e assessor especial da Secretaria de Turismo, Cultura e Lazer do município, Geraldo Ferreira, a Casa da Flor não se explica apenas pela importância plástica, mas pela complexa relação interpretativa do autor.

“Suas heranças culturais e vivências regionais, colabora também com o resultado de sua força criativa”, disse.

História e Prêmios

A Casa da Flor foi construída com materiais domésticos reciclados e refugo de construções do local. Em 1987, com o objetivo de preservar e divulgar a casa e o trabalho de “Seu Gabriel”, foi criada a Sociedade de Amigos da Casa da Flor, hoje Instituto Cultural Casa da Flor, uma entidade civil sem fins lucrativos.

O lugar tem sido documentado e filmado através de iniciativas no sentido de enaltecimento e conservação de seu valor cultural. A professora e pesquisadora Amélia Zaluar, que conviveu com o artista durante oito anos, escreveu uma monografia sobre a Casa da Flor, intitulada “A Casa da Flor – Todo caquinho transformado em beleza”.

Recebeu o prêmio Estácio de Sá, pela preservação do Patrimônio, através do Conselho Estadual de Cultura/RJ, no ano de 2000.

Recebeu também o prêmio Culturas Populares, da Secretaria de Identidade e da Diversidade Cultural, através do Ministério da Cultura, em 2007.

 

Esio Bellido

Foto: Divulgação

 

 

 

 

 

 

Mais lidas da semana