Mídias Sociais

Artigos

Fim de ano

Publicado

em

 

O ano chega ao seu final e as pessoas também. É hora da contabilidade vivencial. O início dos projetos iniciado com o início do ano se corporificou ou evaporaram. Cabe a nós, como protagonistas principais, analisar se foi um ano digno de nossa permanência com saúde ou se foi raquítico devido nossa inércia no seu decorrer. O tempo é fragmentos que constroem nossa maturidade. É capaz de nos moldar, penetrando em nosso figurino com exatidão. Jogar no espaço nossos projetos com inteligência é ter certeza que o tempo nos irá premiar com suas realizações.

Antes que a magia do final de ano nos contamina é necessários saber se avançamos ou retrocedemos com nossos objetivos.

Sabemos que todo início é defeituoso e frágil. Por isto sua camuflagem como embrião retido por uma camada resistente. Somente nossa força intima, juntamente com ousadia, será capaz de abortar.E depois de abortado teremos a oportunidade, com o nascer do sol, ver nossa obra aproximar cada vez mais da realidade.

A timidez do início de nossos projetos como também com o sacrifício que o meio dos projetos exigem só resultará em plena realização com avançar do tempo.

O presente de fim de ano vem de acordo com nossa idade.Na infância ganhamos brinquedos; na adolescência, sonhos e finalmente, na maturidade independência para nos libertamos dos problemas que  a vida nos impõe. Isto não deve confundir com nossa visão existencial.A infância e adolescência são peças fundamentais para o fechamento com êxito fabricado na maturidade. Como duas colunas fortificadas, são capaz com sonhos e inocências erguerem nossos castelos psicológicos com sustentação sólidas. E nossa morada intima hospedar a felicidade, definitivamente.

Fim de ano programamos viagem para compras de fim de ano nas cidades pólos que nos cercam. Aqui é Varginha. Perambulando pela principal Avenida de Varginha encontro um pedestre coqueirense. De roupa nova e com um semblante de quem está aliviado da rotina, vejo a transmutação. Do cotidiano marcado por uma vida tosca a abrandura transformadora proporcionada pela magia natalícia; o conterrâneo se sente contaminado pela a imensidão da alegria momentânea. A vida real se transforma em vida aparente. Da realidade cotidiana a magia do fim de ano. Seus sonhos retidos pelos fracassos fazem do forasteiro coqueirense o direito de ter alternância em sua vida.

Sempre aprendi  a ser intimo de mim mesmo. Buscar meus objetivos nas entranhas da subjetividade derivada de minha singular alma. Ser contaminado pela magia sem sofrer resistência para sua penetração. Distingo-me do meu conterrâneo, que sobre sua rústica vida enterrou até as magias momentâneas, dificultando qualquer suavidade existencial.

Ao contrário do pedestre coqueirense, que não sentiu a vontade no mundo forasteiro, eu mim sinto forasteiro dentro de meu próprio mundo nativo.A suavidade da vida para mim é permanente, e seus grotescos problemas que são transitórios como a atmosfera das cidades estranhas.

Desejo não só um ano novo, mas também uma vida nova na sua nativa cidade, ou seja, dentro de sua própria realidade. Seja um morador feliz e quando a sensação da magia de fim de ano lhe procurar, sinta-se forasteiro e abra as portas, porque através delas sua permanência nativa será bem mais confortável  e tolerável.

Juarez Alvarenga – advogado e escritor

 

 

 


 

Mais lidas do mês