Mídias Sociais

Sem categoria

Retrospectiva 2017: Relembre as manchetes policiais que marcaram o ano

Avatar

Publicado

em

 

O Diário da Costa do sol listou algumas notícias publicadas, em ordem cronológica dos fatos que chamaram a atenção dos leitores.

A condenação do acusado de matar três pessoas da mesma família em Conceição de Macabu, a prisão de um dos principais líderes do tráfico de drogas em Rio das Ostras, a confissão do amante que matou uma jovem, o caso da empresária esfaqueada durante uma briga de trânsito e o prejuízo dado ao tráfico de drogas pelas polícias Militar e Federal em Macaé, foram alguns dos assuntos que marcaram as páginas policiais em 2017. O Diário da Costa do sol listou algumas notícias publicadas, em ordem cronológica dos fatos que chamaram a atenção dos leitores.

 Chacina de Macabu

Na madrugada do dia 5 de maio, Cristiano Maurício de Castro, o “Pindoco”, foi condenado a 52 anos e 6 meses de prisão em regime fechado, através da sentença proferida pela juíza Maria Clacir. Ele foi condenado por planejar e executar a morte três parentes – irmã, sobrinho e mãe- de sua ex-mulher, Cátia dos Santos, hoje com 39 anos. O crime aconteceu no dia 2 de março de 2013.

 

Cristiano foi a júri popular, que durou mais de 12 horas. Única sobrevivente da chacina, a ex-mulher dele, Cátia Santos, foi ouvida como testemunha ocular do crime na sessão. O Promotor de Justiça de Macabu, Ricardo Zouein, também discursou, assim como as testemunhas, que foram nove de acusação e cinco de defesa. Por quatro votos a um, os jurados compostos por cinco mulheres e três homens, decidiram condenar Pindoco pelo triplo homicídio.

 

Cristiano Maurício de Castro, foi condenado a 52 anos e 6 meses de prisão.

 

 

 

 

 

Amante confessa ter matado jovem a facadas e pedradas em Macaé

 

No dia 15 de setembro, menos de um mês após o assassinato da jovem Luciana Rodrigues de Souza, de 30 anos, no dia 20 de agosto, a Polícia Civil concluiu o inquérito e conseguiu localizar e prender dois suspeitos de envolvimento no crime ocorrido no bairro Virgem Santa, em Macaé.

Jaqueta de Luciana com marcas de sangue foi escondida em um matagal pelo assassino.

O mandante foi o suposto amante da vítima, Gilson Gomes de Araújo, 53 anos, com quem Luciana mantinha um relacionamento amoroso de pelo menos dois anos. Também foi preso Allef Moraes Rodrigues, 23 anos, coautor do homicídio. Eles foram capturados no bairro Novo Horizonte, em Macaé, durante uma ação conjunta entre a Divisão de Homicídios da Polícia Civil e o Serviço Reservado da Polícia Militar, que cumpriram mandados de prisão temporária expedidos contra a dupla.

 

De acordo com delegado da 123ª Delegacia Policial de Macaé, Filipi Poeys, à frente das investigações, o crime tem motivação passional e foi muito bem planejado por Gilson. “Conseguimos apurar que os dois eram os autores do homicídio. O Gilson era amante dela e já a bancava há um tempo. Ele desconfiava que estava sendo traído por Luciana e contratou Allef para o ajudar no assassinato pela quantia de R$ 6 mil. Gilson executou o crime, deu uma facada na barriga dela e terminou de matá-la com uma pedrada na cabeça. O Allef ajudou segurando a vítima para que Gilson a matasse”, contou o delegado.

Segundo a Polícia Civil, Allef e Gilson confessaram o crime e narraram os fatos em depoimento. Os dois foram indiciados por homicídio e estão presos.

 

Traficante líder de facção criminosa em Rio das Ostras é preso no Rio

 

O traficante Fernando Lemos Gonçalves, de 40 anos, conhecido como Bruxo, foi preso pela Polícia Civil na manhã do dia 28 de novembro, na Vila do João, localizada no Complexo da Maré, no Rio. Bruxo é apontado pela polícia como líder uma facção criminosa que domina o município de Rio das Ostras, na Região dos Lagos, tendo seus principais redutos as comunidades da Âncora, Ilha e Nova Cidade.

Bruxo foi preso pela Polícia Civil na manhã do dia 28 de novembro, na Vila do João.

Bruxo é considerado uma espécie de discípulo do traficante Celso Pinheiro Pimenta, conhecido como Playboy, que morreu em 2015, após ser baleado em uma operação no Morro da Pedreira. Na época, Playboy era um dos traficantes mais procurados pela polícia.

 

Mesmo estando na capital, onde esteve em favelas como Rocinha, Pedreira e Maré, Bruxo era quem conduzia o esquema do tráfico em Rio das Ostras. Ele é apontado de ser o mandante de diversos crimes, além de ordenar o fechamento de comércios, o ateamento de fogo a vans e a extorsão de comerciantes nas comunidades riostrenses.  A recompensa oferecida pela Polícia Civil para quem entregasse a localização de Bruxo era de R$ 1 mil.

Caso Islay

No dia 22 de novembro, a Polícia Civil divulgou todos os detalhes sobre o assassinato da empresária Raquel Melo Mota, de 39 anos, foi morta no dia 17 do mesmo mês durante uma briga de trânsito, em Macaé.

De acordo com o delegado titular da 123ª Delegacia Policial de Macaé (123ª DP), Filipi Poeys, a indiciada pelo crime, Islay Cristina Pereira de Souza, de 39 anos, utilizou um estilete para matar a vítima. “Exatos sete milímetros da ponta do objeto atingiram o coração de Raquel”, afirmou o delegado.

Raquel Melo Mota foi morta por Islay Cristina Pereira de Souza durante uma briga de trânsito, em Macaé.

Segundo a polícia, a briga entre Raquel e Islay foi iniciada nas proximidades da delegacia, que fica no Centro e terminou, em frente ao condomínio da vítima, na Ilha da Caiera, após Islay cercar o carro de Raquel.

Nas imagens cedidas pela Polícia Civil, Islay para o carro atrás do de Raquel e sai em direção à vítima para confronta-la. Elas discutem e Islay vai até seu carro, pega sua bolsa, saca o canivete e arranha o carro de Raquel, que reage e leva três golpes de canivete, desferidos por Islay.

Em depoimento, Islay confessou o crime e contou à polícia que agiu em legítima defesa, mas o delegado responsável pelo inquérito não acatou a hipótese. “Nas imagens das câmeras de monitoramento, a gente vê claramente que ela já saiu do carro com o estilete. Ela abre a bolsa, pega o objeto e vai para cima da vítima”, ressaltou Poeys.

Prejuízio de R$ 2 milhões ao tráfico

 

No dia 19 de dezembro, uma grande apreensão de drogas, além R$ 6.900 em espécie, três pistolas 9 mm, uma pistola Glock .40 e várias munições, culminou em um prejuízo de mais de R$ 2 milhões ao tráfico de drogas em Macaé.

A ação foi deflagrada pela Polícia Federal (PF), em conjunto com o Grupamento de Ações Táticas (GAT I e II) e o Serviço Reservado (P2) da Polícia Militar, após o recebimento de informações privilegiadas por parte da PF.

A ação foi deflagrada pela Polícia Federal (PF), em conjunto com o GAT e o Serviço Reservado (P2) da Polícia Militar

Entre as drogas, foram apreendidos 38.520 papelotes de cocaína e 7.164 trouxinhas de maconha.  Segundo o delegado titular da Polícia Federal, Felício Laterça, um tipo de cocaína importada impressionou as equipes. “Essa droga ainda não havia sido vista na cidade. É um material que eles vendem por três vezes o valor normal da droga”, informou o delegado.

Um homem foi preso durante a operação.

Autor: Bertha Muniz

Mais lidas da semana