Mídias Sociais

Cidades

Primeiro caso de febre amarela do estado pode ter sido registrado em Casimiro de Abreu

Avatar

Publicado

em

 

Caso foi divulgado pela prefeitura do município. A previsão, é de que o resultado do exame para comprovar ou não a doença fique pronto em dez dias

 

Um primeiro caso de morte por febre amarela pode ter ocorrido na região. Um homem, de 38 anos, identificado como Watila Santos, 38 anos, estava internado desde a última sexta-feira (10) no Hospital Angela Maria Simões Menezes, em Casimiro de Abreu, acabou falecendo na madrugada de sábado (11), com suspeita da doença. O fato foi divulgado pela prefeitura do município. A previsão, segundo o órgão, é de que o resultado do exame para comprovar ou não a doença fique pronto em dez dias. Watila Santos residia na zona rural de Casimiro de Abreu e deu entrada no hospital com a pele amarelada, além de dores de cabeça, febre e dor no corpo. Antes de morrer, ele sofreu duas paradas cardiorrespiratórias. Os sintomas são comuns em casos de febre amarela e leptospirose, segundo os médicos da unidade.
A Prefeitura de Casimiro de Abreu disse que fez a notificação do caso à Coordenadoria Estadual de Vigilância de Saúde e pediu urgência no resultado dos exames, que foram encaminhados para o Laboratório Centro Noel Nutels, no Rio de Janeiro.

A prefeitura de Macaé, informou que o prefeito Dr. Aluízio,  irá amanhã pela manhã a cidade de Casimiro, e começará esta semana, pelo Sana, a vacinação da doença com as doses que o município possui. Apenas nesta segunda terá maiores informações e a necessidade real de imunização. O prefeito tentará também nessa segunda-feira (13), uma audiência com o secretário Geral de Estado, para conferir as datas do calendário de vacinação para as cidades do interior.

Por meio de nota, o governo do Estado informou no sábado (11), que o Rio será o primeiro estado do país incluído na área de recomendação de vacina contra febre amarela sem que nenhum caso tenha sido registrado em seu território. O pedido de inclusão foi feito ao Ministério da Saúde (MS) pela Secretaria de Estado de Saúde (SES) na última semana, com o objetivo de expandir a estratégia de vacinação como medida preventiva, que já vem sendo adotada pela SES em 30 municípios localizados nas divisas com Minas Gerais e Espírito Santo, estados onde há casos confirmados da doença.

Com a inclusão do RJ na área com indicação para vacinação, o Estado estima que toda população, observando as contraindicações, seja imunizada até o fim deste ano. Ao todo, a estimativa é de que serão necessárias cerca de 12 milhões de doses. Para a primeira etapa, já foram solicitadas 3 milhões de doses ao MS. A previsão é de que a imunização seja intensificada a partir da última semana deste mês.

- O estado do Rio já vem adotando medidas preventivas, como a vacinação da população das cidades que estão próximas às divisas com os estados onde há confirmação de casos, estratégia que vem se mostrando eficiente uma vez que não há nenhum registro de caso da doença em humanos até o momento. Nossa equipe de Vigilância em Saúde vem acompanhando a evolução do cenário epidemiológico no país para que possamos fazer avaliações constantes e dessa forma, continuar nos antecipando, com foco na proteção da população fluminense - explica o secretário de Estado de Saúde, Luiz Antônio Teixeira Jr.

Todos os 92 municípios terão seus estoques abastecidos para que possam organizar suas campanhas de acordo com as capacidades operacional e de armazenamento de cada um. A estimativa da SES e de que 1,5 milhão de pessoas sejam imunizadas por mês e, assim, até o fim do ano, o RJ alcance 90% da cobertura vacinal, dentro do público com indicação para a imunização. Todos os municípios serão orientados por equipes técnicas da SES para organização de suas campanhas de vacinação.

 

Bertha Muniz

Mais lidas da semana