Mídias Sociais

Sem categoria

Guardas Civis Municipais de Macaé criam associação buscando encontrar representatividade

Avatar

Publicado

em

 

Ideia da Associação dos Guardas Civis e Amigos de Macaé é reunir todos os funcionários da Secretaria de Ordem Pública

 

Tunan Teixeira

 

Como um bebê que está nascendo. Foi assim que o Presidente Rocha Santos se referiu à criação da Associação dos Guardas Civis e Amigos de Macaé (AGCAM), que pretende reunir os profissionais da Secretaria de Ordem Pública da cidade.

Para celebrar a criação da AGCAM, foi realizado um almoço na tarde desta quinta-feira, 9, no Centro Social Juliana Barros, no Parque Aeroporto, onde estiveram presentes o vereador Julinho do Aeroporto (PMDB), e a Secretária de Assistência Social, Tatiana Pires.

Durante o evento, o presidente, que preferiu se identificar pelo “nome de guerra” que usa como Guarda Civil, falou sobre os objetivos da AGCAM e sobre os problemas que levaram à ideia da criação da associação.

“O principal objetivo dessa associação é levar essa união para todos os servidores que estão lotados na Secretaria de Ordem Pública, não nos importando se o agente é GCM (Guarda Civil Municipal), GM (Guarda Municipal), Defesa Civil, Assistente Administrativo, Auxiliar de Serviços Gerais, entre outros. Queremos a participação de todos”, discursou Rocha Santos.

Segundo Carvalhaes, conselheiro fiscal da AGCAM, um dos motivos que levaram à ideia foi a sensação de falta de representatividade juntos aos sindicatos, tanto dos servidores de Macaé, quando da própria Guarda.

Para Rocha Santos, que revelou que teve todo apoio do Secretário de Ordem Pública, Sebastião Carneiro, e do Comandante da Guarda, Antônio Luiz Monteiro, a principal função da associação é estabelecer um diálogo entre os servidores da pasta e o Executivo municipal, já que “num conflito entre o prefeito e seus servidores, quem sai perdendo é o povo”.

Mais lidas da semana