Mídias Sociais

Cidades

Cartão Postal de Araruama abandonado

Avatar

Publicado

em

 

O Parque Menino João Hélio, em Araruama, já foi considerado um dos mais belos cartões postais do Estado do Rio de Janeiro. Inaugurado em dezembro de 2007, com 82 mil metros quadrados, em homenagem ao menino João Helio (assassinado em 2007 em um episódio que chocou o Brasil), o parque conta com várias esculturas em homenagem ao menino (confeccionadas por Luiz Costa), à cultura da cidade, como esculturas de araras, cachoeiras em escadarias, pássaros silvestres e chafariz. Tudo muito bem iluminado, mas que hoje nem de longe lembra o belíssimo cartão postal da cidade dos dias após sua inauguração.

Dos pássaros, apenas a estátua de uma arara ainda está no lugar. As escadarias que formavam uma enorme cachoeira reluzente durante a noite, a frente do casarão colonial, hoje acumula lixo. Os pequenos chafarizes na parte central estão com fiação exposta e água parada. Há sujeira e corrosão das estruturas de metal em boa parte do parque e algumas das luminárias da escadaria onde antes era a cachoeira artificial estão quebradas crescendo mato.

Segundo Rafael Ferreira, estudante e técnico em enfermagem e freqüentador do Parque, a limpeza é feita apenas em uma parte. "A cachoeira e a iluminação ficou sendo feito só a noite, depois nos finais de semana e agora não tem mais. Eles (a prefeitura) estão caprichando mais na parte de baixo, na questão da limpeza". Afirma Rafael, de 20 anos.

Segundo Breno Sabino, de 22 anos, estudante de pedagogia, a falta do investimento no teatro tem afetado muito a situação do Parque. "As pessoas deixam para ajudar a situação da cultura local depois que já está crítica. O teatro está parado e com isso as práticas que valorizavam o Parque. Já teve peça sendo televisionada em rede aberta. Acredito que o Teatro funcionando ajudaria muita gente e não buscar as drogas." Afirma Breno.

A prefeitura de  Araruama em relação a questão do Parque respondeu que a secretaria de obras, ainda em 2013, verificou que os 100 mil litros de água utilizados nas escadarias não tinham retorno, ou seja, não existia um sistema de aproveitamento desta água, os 100 mil litros iam para o ralo. Diante da crise hídrica enfrentada nos anos de 2013 e 2014, em todo sudeste do país, a Prefeitura de Araruama, de forma responsável, suspendeu as águas da escadaria. Já existe um projeto para mudança deste sistema que reaproveite a água, evitando tamanho desperdício. Todavia, com a crise financeira que atinge todo país e principalmente, o estado do Rio de Janeiro, outras prioridades foram elencadas diante do atraso em repasses essenciais para saúde, por exemplo. Quanto ao chafariz ele funciona aos finais de semana, evitando o desperdício de energia elétrica.

Mais lidas da semana