Mídias Sociais

Cidades

Em Rio das Ostras, candidatos à prefeitura usam estratégias diferentes na internet

Publicado

em

 

Passados 10 dos 45 dias de campanhas eleitorais, em Rio das Ostras, bem como na maioria das cidades da Região dos Lagos e do Norte Fluminense, os candidatos a prefeito na cidade vêm apostando nas redes sociais, em especial o Facebook, para divulgar suas ideias e projetos de campanha.

Dos 6 candidatos da cidade, apenas o empresário Flávio Poggian (REDE) não tem uma página na rede social, mas mesmo os que têm, parecem não aproveitar muito as possibilidades de se comunicar com seus eleitores.

É o caso do vereador Deucimar Talon (PRTB) e do servidor público Adrian Mussi (PHS), que usaram suas respectivas páginas para fazer pequenas divulgações como fotos de apoio a candidatos a vereador de seus partidos e coligações.

Os demais candidatos, Carlos Augusto Balthazar (PMDB), Alcebíades Sabino (PSDB) e Winnie Freitas (PSOL), apostam em vídeos e inserções ao vivo para expandir seu contato com os eleitores, divulgando seus projetos para a cidade e até os vereadores de seus partidos, como foi o caso da candidata do PSOL.

Nesta sexta-feira, 26, o Prefeito Sabino promoveu em sua página um vídeo ao vivo para responder perguntas dos internautas sobre questões relacionadas à cidade e aos seus futuros projetos de governo em caso de reeleição.

Sobre a Parceria Público-Privada (PPP), o atual prefeito mais uma criticou a gestão do ex-prefeito e seu concorrente, Carlos Augusto Balthazar, que assinou o contrato com a Odebrecht Ambiental, em 2007, motivo apontado pelo prefeito como um dos principais responsáveis pelos problemas financeiros que a cidade está passando.

“Rio das Ostras tinha 5 estações de tratamento de esgoto compactas feitas por mim, e 6 mil casas tinham esgoto tratado naquela época. Sem empréstimo, sem dívida. Hoje a cidade tem 11 mil casas, e nós estamos devendo quase 2 bilhões de reais à Odebrecht. Hoje, o prefeito da cidade tem que pagar 9 milhões por mês. Naquele tempo, lá atrás, dava para pagar e manter os contratos. Hoje, a prefeitura ganha entre 6 e 7 milhões por mês. Não dá”, tentou explicar o prefeito, que lembrou ainda que o repasse dos recursos dos royalties, feitos pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), que deveria ser pago aos municípios no último dia 20, ainda está atrasado.

Também nesta sexta, primeiro dia do horário eleitoral gratuito no rádio em todo o Brasil, os candidatos do PRTB e do PHS na cidade preferiram não utilizar o tempo destino a eles pela Justiça Eleitora, bem diferente dos outros 4 candidatos, de PMDB, PSDB, PSOL e REDE, que aproveitaram o tempo para divulgar sua propostas.

Tunan Teixeira

Mais lidas da semana