Mídias Sociais

Destaque

PF deflagra a segunda fase da “Operação Kryptos”, com alvo em pessoas ligadas ao dono da GAS, Glaidson Acácio

Publicado

em

 

Na manhã desta quinta-feira (9), a Polícia Federal e a Receita Federal realizam a segunda fase da “Operação Kryptos”, contra um esquema ilegal de moedas virtuais com suspeita de pirâmide. A Justiça expediu dois mandados de prisão e dois de busca e apreensão, que são cumpridos no condomínio Península, na Barra da Tijuca, na Zona Oeste do Rio. Os alvos são pessoas ligadas a Glaidson Acácio dos Santos, dono da GAS Consultoria, com sede em Cabo frio. Ele foi preso na primeira etapa da operação, no dia 25 de agosto, apontado como chefe dessa organização.

Os Agentes Federais chegaram ao local por volta das 6h e saíram de um prédio carregando um malote com material apreendido, ninguém foi preso. As investigações apontam que os alvos dessa fase têm relação com o esquema fraudulento de pirâmide, são eles Michael de Souza Magno e João Marcus Pinheiro Dumas Viana, este apontado pelas investigações como operador de Glaidson, ele seria sócio de duas empresas com o empresário e foi portador de depósitos em dinheiro para as contas dele entre 2019 e 2021.

Eles também estiveram na Marina da Glória, realizando buscas em uma das embarcações do local.

Relembre o caso

A Operação Kryptos, da Polícia Federal, tinha como objetivo desarticular a organização criminosa responsável por fraudes bilionárias envolvendo criptomoedas. O dono da GAS Consultoria, Glaidson Acácio dos Santos, é um dos alvos e foi preso pelos agentes em 25 de agosto. Ele já teve dois Habeas Corpus negados pela Justiça.

A empresa é apontada como fachada para um dos maiores esquemas de pirâmide financeira do país. Segundo as investigações do MPRJ, PF e Receita Federal, Glaidson movimentou em seis anos, R$ 38 bilhões em suas contas. A investigação também descobriu que Mirelis Yoseline Diaz Zerpa, a esposa do ‘Faráo’ é quem coordena a parte financeira do esquema. Ela está foragida e é procurada pela Interpol.

Ambos, por meio da GAS Consultoria, ofereciam 10% de retorno por mês a quem quisesse investir em bitcoins por intermédio deles. O esquema, de acordo com a Federal, atraiu milhares de pessoas de todo o Brasil e fez o caso ganhar notoriedade.

A operação suspeita deu a Cabo Frio a alcunha de “Novo Egito” e fez a cidade virar pauta por quatro semanas consecutivas no Fantástico, um dos maiores programas de jornalismo da TV brasileira. A reportagem revelou detalhes das investigações. No último domingo (5), apontou que a maior parte do dinheiro investido por vítimas de esquema de criptomoedas ia para contas pessoais de Glaidson e de outros chefes da organização criminosa.

Nota da GAS Consultoria

A empresa GAS diz que “os depósitos de valores de terceiros eventualmente efetuados na conta pessoal de Glaidson foram feitos quando ele era autônomo”. Quando abriu a empresa, diz a nota, Glaidson não usou mais contas de pessoa física. A empresa nega ter praticado pirâmide financeira e lavado dinheiro.

Manifestações a favor de Glaidson continuam tomando conta das ruas

Manifestantes realizaram mais uma grande carreata em apoio a Glaidson Acácio. O ato, que contou com a presença de centenas de veículos, aconteceu às 17h no Feriado da Independência, (7), na orla da Praia do Forte, em Cabo Frio.

Pessoas que estavam presente no local, pediram a soltura de Glaidson. Cartazes, palavras de apoio, entre outros, foram utilizados em apoio ao “Faraó da Bitcoins”.

A carreata aconteceu logo após a manifestação de apoio o atual presidente, Jair Bolsonaro (Sem partido), porém teve uma adesão muito maior. O número maior de carros é possível ser visto por meio das imagens da manifestação e do trânsito que ficou completamente parado ao redor da orla da Praia do Forte.

Mais lidas da semana