Mídias Sociais

Destaque

Mapa: Macaé e Rio das Ostras saem do ranking das 10 cidades mais violentas do estado

Bertha Muniz

Publicado

em

 

Cidades da Região dos Lagos também tiveram redução nos índices de letalidade violenta.

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), divulgou nesta segunda-feira (5) o Atlas da Violência - Retrato dos Municípios Brasileiros 2019 em todo Brasil. Nele Macaé, no Norte Fluminense, e Rio das Ostras, na Região dos Lagos,  ocupam 14ª e 15ª posição, respectivamente, no ranking das cidades mais violentas do Estado do Rio de Janeiro.

A pesquisa é feita com dados de levantamentos em 2017 e é medida a partir dos números de homicídios proporcionais à população de cada município com mais de 100 mil habitantes. Depois de ter sido apontada como a 10ª cidade mais violenta do país e a 5ª em taxa média de homicídio de jovens de 15 a 24 anos, em 2007, Macaé ocupa hoje a 298ª posição no ranking geral.

No penúltimo relatório divulgado pelo Ipea, a capital do Petróleo estava na 13ª posição no estado com 88 homicídios. Já de Rio das Ostras ocupava o 9º lugar no ranking de cidades mais violentas do Estado com 61 homicídios.

Araruama e Cabo Frio mais seguras

No Mapa da Violência de 2017, Araruama e Cabo Frio, na Região dos Lagos, ocuparam as terceira e quarta posições, respectivamente, no ranking das cidades mais violentas do Estado do Rio de Janeiro.

O levantamento apontou Araruama como a 43ª cidade mais violenta do Brasil, ficando no estado somente atrás dos municípios de Queimados e Itaguaí. Já Cabo Frio ocupava a 49ª posição no ranking nacional do Ipea. No relatório divulgado em 2019 pelo Ipea, Araruama ficou na 9º posição, e Cabo Frio na 17ª entre as mais violentas do estado.

As cidades com menor índice de violência estão na Região Serrana: Petrópolis, Teresópolis e Nova Friburgo.  No país, segundo o Atlas, a violência se deslocou do Sudeste para as cidades do Norte e Nordeste e continua associada às disputas de facções criminosas por territórios.

O estudo identifica uma heterogeneidade na prevalência da violência letal nos municípios e revela que há diferenças enormes entre as condições de desenvolvimento humano nos municípios mais e menos violentos. Confirma o ranking:

 

Mais lidas da semana