Mídias Sociais

Radar Diário

Casimiro de Abreu e Campos devem enviar manifesto à Alerj pedindo derrubada de lei que revisa o Repetro no Rio

Publicado

em

Presidente da Câmara de Casimiro de Abreu, Rafael Jardim (PSB), ainda está reunindo assinaturas para manifesto e vai seguir decisão da Câmara de Macaé, onde todos os vereadores assinaram documento contra revisão do Repetro estadual

As câmaras municipais de Casimiro de Abreu e Campos dos Goytacazes devem seguir o exemplo do Legislativo de Macaé e enviar, em breve, manifesto assinado por todos os vereadores de suas respectivas Casas, pedindo a derrubada do projeto de lei que revisa a adesão do Estado do Rio ao Repetro.

Nesta quinta-feira, 5, o presidente da Câmara de Casimiro, Rafael Jardim (PSB), revelou que já fez contato com o presidente da Câmara de Campos, Marcão Gomes (REDE), a respeito do tema, mas disse ainda não ter recebido resposta. Ele contou ainda que o manifesto do Legislativo municipal só não foi enviado ainda porque alguns vereadores, que estão fora da cidade, ainda não assinaram o documento.

De autoria do presidente da Assembleia Legislativa do Estado do Rio (Alerj), André Cecliano (PT), o projeto de lei de revisão do Repetro estadual segue tramitando na Alerj, e tem previsão de retornar à pauta até o próximo dia 15 de abril, segundo notícias do Legislativo estadual.

Na última semana, a Câmara de Macaé se posicionou, de forma unânime, contra o projeto que retira da fase de produção e desenvolvimento as isenções fiscais previstas no Repetro, mantendo apenas os benefícios fiscais para a fase de exploração e para os campos maduros da Bacia de Campos.

A preocupação compartilhada por toda a região, não apenas por políticos e empresários do setor do petróleo, é que com a adesão ao Repetro de forma integral pelos estados de São Paulo e Espírito Santo, o Rio de Janeiro sofra uma desmobilização sem precedentes, perdendo milhares de postos de emprego, aumentando a crise financeira do estado e o desemprego, principalmente nas cidades da Região dos Lagos e do Norte Fluminense, onde grande parte das indústrias petrolíferas está instalada.

Mais lidas do mês