Mídias Sociais

Política

Wilson Witzel e Flávio Bolsonaro combinam viagem para Israel para conhecer drone atirador que pode ser usado no Rio

Publicado

em

 

Em reunião com governador eleito do Rio, Wilson Witzel (PSC), futuro senador da república, Flávio Bolsonaro (PSL), também teria negado convite para partido participar do governo e pedido posicionamento antipestista ao ex-juiz federal

Nem assumiu o Governo do Estado do Rio ainda, o governador eleito, Wilson Witzel (PSC) já parece ter tomado sua primeira medida relacionada com os problemas da segurança pública estadual, pauta bastante utilizada pela campanha do ex-juiz federal.

Acompanhado do senador eleito, Flávio Bolsonaro (PSL), Witzel já estaria com planos para viajar a Israel para conhecer um modelo de drone equipado com uma arma, capaz de atirar enquanto sobrevoa uma região.

De acordo com a colunista Berenice Seara, do jornal Extra, o equipamento, usado pelas forças israelenses em ações na fronteira com os territórios palestinos, poderia ser utilizado em operações de segurança no Rio.

Em sua coluna Extra, Extra, na véspera do feriado, a jornalista revela também que Witzel e Flávio Bolsonaro querem, ainda, obter informações sobre um equipamento de leitura facial que seria instalado nos transportes públicos do estado.

O primeiro encontro entre os 2 depois da eleição teria acontecido na última quarta-feira, 31 de outubro, quando Witzel recebeu do futuro senador o apoio à sua proposta de incentivar o que ele chamou em debate de “abate” de criminosos.

Articulações – Ainda durante o encontro, Witzel teria, inclusive, oferecido participação do PSL em seu governo, mas o senador eleito teria recusado a proposta , deixando um único pedido para que o futuro governador não colabore para o PT ocupar qualquer espaço de poder no estado.

O filho do presidente, a quem, em teoria, o futuro governador deve sua vitória nas urnas, agora não poderá mais manter a neutralidade na eleição do próximo presidente da Assembleia Legislativa do Estado do Rio (Alerj), já que um dos candidatos deve ser o presidente interino, André Ceciliano (PT), reeleito para a próxima legislatura.

Confirmado como possível rival de Ceciliano na disputa, o deputado também reeleito, André Corrêa (DEM), muito elogiado pelos vereadores macaenses Maxwell Vaz (SD) e Paulo Antunes (MDB) no período eleitoral, é quem pode receber o apoio de Witzel e do PSL para tentar fazer frente ao deputado petista.


 

Mais lidas do mês