Mídias Sociais

Cidades

Vereador do PMDB de Macaé crê em melhora com prosseguimento de lei federal que extingue coligações nas eleições proporcionais

Avatar

Publicado

em

 

Em sessão ordinária desta terça-feira, 25, na Câmara Municipal de Macaé, o vereador líder do governo, Júlio César de Barros (PMDB), mais conhecido como Julinho do Aeroporto aproveitou seu tempo no Grande Expediente para comentar uma importante mudança nas eleições que pode estar a caminho já para os pleitos estaduais e presidenciais de 2018.

O vereador, que também é vice-presidente da Câmara, e foi o 5º mais votado nas últimas eleições municipais, comentou sobre o Projeto de Emenda à Constituição (PEC) 151, de 2015, de autoria do Senador Valdir Raupp (PMDB-RO), que propõe a extinção das coligações partidárias para as eleições proporcionais, ou seja, as de vereador, deputado e senador.

“Já está tramitando no Senado Federal um novo projeto de reforma política, que se aprovado, vai acabar com as coligações partidárias nas eleições proporcionais, o que vai trazer muitas mudanças, eu acredito, como o fim de alguns partidos políticos – hoje são 35 – e acabar também com essa coisa de vereadores com 6 mil votos serem eleitos enquanto vereadores com 15 mil, 16 mil votos ficam de fora, como aconteceu em São Paulo e em diversas cidades do país”, analisou Julinho.

No atual modelo, como foi em todos os municípios brasileiros, os vereadores são eleitos a partir de um cálculo que leva em conta a soma de todos os votos nos candidatos que compõe determinada coligação, mas, segundo a proposta que tramita no Senado desde 2015, essa fórmula pode estar com os dias contados.

Segundo informações do site do Senado, a PEC 151/15 já está nas mãos do Senador Antonio Anastásia (PSDB-MG), relator da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) do Senado Federal, que deve decidir pelo prosseguimento da matéria.

Caso a PEC já estivesse em vigor nessas eleições municipais, por exemplo, a composição da Câmara Municipal de Macaé para o próximo mandato poderia ser bem diferente, já que as vagas seriam divididas tendo como cálculo o número de votos de cada partido.

Tunan Teixeira

Mais lidas da semana