Mídias Sociais

Destaque

Relator da Comissão da Reforma Política desmente rumores de que eleições de 2018 seriam canceladas

Publicado

em

 

Deputado Vicente Cândido negou existência de projeto para cancelar eleições

 

Foto: Gilmar Felix

 

 

 

Tunan Teixeira

 

O deputado federal Vicente Cândido (PT-SP), relator da Comissão Especial da Reforma Política, que está em discussão na Câmara, publicou uma “nota de esclarecimento” na noite desta quinta-feira, 4, para desmentir rumores sobre um projeto que pretende prorrogar mandatos e adiar as eleições de 2018.

O projeto que causou a polêmica é a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) 77/2003, de autoria do deputado federal Marcelo Castro (PMDB-PI), que foi desengavetada na quinta-feira pelo Presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e que se propagou nas redes sociais como um projeto para cancelar as eleições presidenciais do ano que vem.

O PEC77/2003 propõe, entre outras medidas, mandato de cinco anos para presidente, governadores e prefeitos, fim da reeleição, e a separação das eleições para Executivo e Legislativo nos próximos anos, o que poderia estender alguns mandatos para que futuramente as disputas de presidente, governador e prefeito passassem a coincidir.

Os rumores começaram porque as medidas são praticamente as mesmas do projeto de Reforma Política, do qual Cândido é o relator.

Segundo a revista Veja, foi ele quem pediu a Maia que desengavetasse a PEC de 2003, porque ela já tinha a admissibilidade aprovada pela Casa, o que facilitaria a sua tramitação, sua anexação à proposta da Reforma Política.

“Eu, como relator, junto ao presidente Lucio Vieira Lima (PMDB-BA) – com anuência dos membros do colegiado – escolhemos esta proposição por ser matéria correlata com o tema da Comissão Especial para que possamos deliberar sobre a PEC presente no relatório apresentado em abril, na atual Comissão da Reforma Política”, escreveu Vicente Cândido, na nota de esclarecimento.

O deputado federal Wadih Damous (PT-RJ), ex-presidente da subseção da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) no Rio, também gravou um vídeo desmentindo os rumores de adiamento das eleições, lembrando que a proposta é de 2003, e, por isso, não preveria medidas para as eleições de 2018.

“Não é verdade que essa PEC prorrogue mandatos, que essa PEC adie as eleições. Tanto é que é uma PEC de 2003. Então, não tem nada disso. Não vamos ficar procurando pelo em ovo”, argumento o petista.

O boato sobre a tentativa de cancelar a eleição de 2018 foi parar nos trend topics, os assuntos mais comentados do Twitter, e a tese mais difundida era a de que a medida seria um golpe para manter o presidente Michel Temer (PMDB) no poder e impedir a vitória do ex-presidente Lula (PT), que lidera as pesquisas de intenção de voto para 2018.

Todavia, o autor da PEC, deputado federal Marcelo Castro, foi Ministro da Saúde no governo da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), e, mesmo sendo peemedebista, votou contra a decisão do partido e contra o impeachment de Dilma.

 

Pesquisa eleitoral – Segundo pesquisa divulgada pelo Datafolha, de São Paulo, no fim de abril, o ex-presidente continua disparado na liderança das intenções de voto para a presidência da república em 2018, e ganharia ainda no primeiro turno.

De acordo a pesquisa, Lula teria mais que o dobro dos votos de Marina Silva (REDE), que aparece na segunda colocação, praticamente empatada com o deputado Jair Bolsonaro (PSC), que vem em terceiro.

O Datafolha traz ainda uma previsão de segundo turno entre Lula e Marina, em que o petista também venceria, com 41% dos votos contra 38% de Marina. “Em todas as demais medições, o ex-presidente venceria com folga”, destacou o Datafolha.

A pesquisa mostra ainda o grau de impopularidade do atual presidente, acusado de orquestrar um golpe de estado para derrubar Dilma e assumir o poder, aliado ao ex-deputado preso por corrupção, Eduardo Cunha (PMDB), então Presidente da Câmara Federal.

De acordo com o Datafolha, Michel Temer (PMDB), que disse que não se candidatará à presidência em 2018, tem apenas 9% de apoio dos brasileiros, enquanto possui uma rejeição de 61% dos eleitores pesquisados, que consideram o governo Temer ruim ou péssimo.

Curiosamente, o atual presidente e o ex lideram os números de rejeição às suas possíveis candidaturas. Enquanto uma eventual candidatura de Temer teria 64% de rejeição, a candidatura de Lula, caso viesse a se confirmar, teria uma rejeição de quase 44% entre os eleitores brasileiros.

Mais lidas da semana