Mídias Sociais

Política

Qualidade dos serviços prestados pelas vans em Rio das Ostras volta a ser discutido pela prefeitura

Avatar

Publicado

em

 

Restaurante Capixaba, em Cantagalo, recebeu equipe da Secretaria de Transportes Públicos, Acessibilidade e Mobilidade Urbana para ouvir reclamações dos moradores sobre o assunto

A Prefeitura de Rio das Ostras divulgou na última semana uma reunião entre representantes da gestão municipal e a população de Cantagalo, para ouvir dos moradores reclamações sobre o transporte público na localidade.

“A administração municipal está cada dia mais empenhada em ouvir a voz da população e sanar os problemas apresentados por ela”, justificou a prefeitura.

O encontro aconteceu no Restaurante Capixaba, e contou com a uma equipe da Secretaria de Transportes Públicos, Acessibilidade e Mobilidade Urbana, que ouviu as reivindicações dos moradores da região.

De acordo com a prefeitura, os moradores, que estavam contrariados com os serviços prestados pelos permissionários das vans que atendem o local, reclamaram que as vans que não completam seus itinerários, fazem a troca da placa para não pegar os passageiros de Cantagalo, não cumprem os horários, entre outras reivindicações.

Outra reclamação dos moradores é de que os motoristas das linhas que deveriam atender à população seriam mal educados com os passageiros e que não aceitariam fazer o transporte de idosos e crianças de escolas públicas.

Em Rio das Ostras, o serviço de transporte público é prestado através das vans, situação que vem sendo debatida no município, com as discussões sobre projeto de lei apresentando pelo Executivo à Câmara Municipal para regulamentar o serviço no município, em janeiro de 2018.

Em dezembro do ano passado, após inúmeros protestos dos motoristas de vans no início do ano, duas reuniões foram realizadas pela Comissão de Transportes da Casa a fim de chegar a um consenso com os permissionários, que pressionavam os parlamentares para impedir que os serviços por empresa de ônibus selecionada através de licitação, sob a alegação de que as vans geravam 1.000 empregos diretos e até 1.500 indiretos.

Mais lidas da semana