Mídias Sociais

Cidades

Projeto do presidente da Câmara de Campos tenta garantir financiamento para programas sociais sem onerar cofres públicos

Publicado

em

 

Projeto, que foi aprovado pela Câmara por unanimidade, destina 1% dos contratos de prestadoras de serviço da prefeitura para programas sociais

A Câmara Municipal de Campos dos Goytacazes aprovou nesta semana o Projeto de Lei 0002, de 2018 (PL0002/18), de autoria do presidente da Casa, Marcão Gomes (REDE), que promete financiamento de projetos sociais sem onerar os cofres públicos do município.

Segundo a Câmara, o PL0002/18 dispõe sobre financiamento para a execução de benefícios eventuais existentes no âmbito da Secretaria de Desenvolvimento Humano e Social, e foi aprovado por unanimidade.

“Para ajudar o município no desenvolvimento social, propusemos esse projeto para que as empresas que tenham contrato com a prefeitura destinem 1% dos valores para aquisição de cestas básicas para famílias que precisam”, explicou o presidente.

Marcão Gomes lembrou que o projeto é uma alternativa para financiar programas sociais importantes e ainda justificou a necessidade do projeto, alegando as já famosas crises financeiras do Estado e da cidade.

“Nós vivemos em todo o Estado do Rio de Janeiro grande dificuldade na geração de emprego e nos, últimos anos, tivemos o aumento de desempregados para mais de um milhão. Em Campos, cerca de 40 mil famílias estão em situação de pobreza ou extrema pobreza”, justificou o vereador da REDE, que revelou que o projeto recebeu sugestões do Conselho Municipal de Assistência Social.

O projeto Marcão, que compõe a base governista do Prefeito Rafael Diniz (PPS), é apontado como “eleitoreiro” por algumas pessoas da cidade, já que o vereador estaria interessado em concorrer a deputado nas eleições de outubro deste ano.

Dentro os diversos problemas da administração do atual prefeito, estão os cortes feitos por ele em programas sociais, como o Restaurante Popular e a Passagem a 1 Real, encerrados sob a justificativa de tentar equilibrar as finanças do município, que sofre com salários atrasados dos servidores e problemas na saúde.


 

Mais lidas do mês