Mídias Sociais

Cidades

Presidente da Câmara de Casimiro de Abreu defende aprovação de lei que teria enfraquecido seu antecessor

Avatar

Publicado

em

 

Tido anteriormente como um aliado “mais confiável” do governo municipal, o presidente em exercício da Câmara Municipal de Casimiro de Abreu, Odino Miranda (PSDC), parece estar colocando as “garrinhas de fora” na cidade.

Nesta sexta-feira, 9, o site do jornalista Elizeu Pires publicou parte de uma suposta conversa gravada em que o vereador pede a união dos parlamentares para “peitar” o atual prefeito, Antônio Marcos (PSC) ainda antes das eleições.

“Nós somos fortes quando estamos juntos. Independente da luta do voto nós temos que fazer uma corrente e peitar Antonio Marcos antes das eleições. Se ele não quiser a gente não ajuda. Nós temos que estudar a possibilidade de deixar essa lei aprovada. Vamos arrumar um jeito de votar ela (...) com alguma modificação. Já vamos deixar o outro prefeito amarrado com a gente. Nós precisamos fazer isso”, teriam sido as palavras do vereador, em uma suposta conversa gravada por um membro da Câmara.

A lei que Odino pretenderia aprovar é um instrumento com o qual os vereadores, liderados pelo ex-presidente do Legislativo, Alessandro Pezão (PSC), pressionavam o prefeito a negociar com eles, e que foi rejeitada em plenário.

Porém, o alvo de Odino Miranda não se restringe ao atual prefeito, e pretende deixar “amarrado” também o governante a ser eleito no dia 2 de outubro, seja ele que for e de que partido seja.

O tom da conversa mostra que o vereador está indo pelo mesmo caminho do ex-presidente da Casa, Alessandro Pezão, que foi afastado do cargo e denunciado à Justiça pelo Ministério Público por prática de corrupção.

Em 2015, Pezão tentou aprovar um projeto de lei que assegurava aos vereadores poder para condenar, sem o direito de defesa, e no momento em que bem entendessem, o governante da cidade, afastando-o do cargo por 180 dias, mesmo sem culpa formada.

Meses depois, Pezão sofreu acusações de que estaria se apropriando indevidamente de parte dos salários dos comissionados da Câmara, e depois de o Ministério Público ter comprovado as acusações, Pezão foi afastado do cargo de vereador e da Presidência da Câmara.

Segundo o site, a lei “esquisita” seria uma cópia fiel de um texto aprovado por várias Câmaras em todo Brasil e que já foi derrubado pela Justiça por ser considerado inconstitucional.

O projeto de Casimiro chegou a ser aprovado em março de 2015, mas foi derrubado em segunda votação, depois que um áudio com a voz do então presidente da Casa vazou e comprometeu todo o esquema montado pelos vereadores.

“Nós não podemos deixar de votar essa lei. É a única moeda de troca que vamos ter com ele (o prefeito). É a única moeda de troca que nós temos”, dizia Pezão, que este ano perdeu a cadeira de presidente, deixando o lugar para Odino Miranda, agora também flagrado em inconfidência semelhante.

Tunan Teixeira

Mais lidas da semana