Mídias Sociais

Política

Novo método de testagem de antígeno contra o coronavírus já começou a ser usado em Macaé pela Secretaria de Saúde

Avatar

Publicado

em

 

Conforme anunciado pelo secretário adjunto de Alta e Média Complexidade da Saúde, Antônio Soares, em vídeo publicado nas redes sociais da prefeitura nesta segunda-feira, 12, o município vem utilizando, desde o início da semana, uma nova metodologia de testes aplicados pelo Centro de Triagem do Paciente de Coronavírus (CTC).

De acordo com a Secretaria de Saúde, o objetivo desses novos testes de antígeno do coronavírus é agilizar a identificação de novos infectados, permitindo, assim, o bloqueio do ciclo de contágio, através do isolamento imediato dos casos.

Defendida por especialistas da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), em visita à Câmara na última semana, a nova metodologia de testagem estabelece um novo parâmetro para análise do cenário epidemiológico de Macaé, que define as medidas de restrições e de distanciamento social para prevenção do contágio do vírus na cidade.

Segundo a prefeitura, os novos testes estão sendo aplicados em pessoas que apresentam os sintomas iniciais de infecção, que a Secretaria de Saúde alerta para que busquem “de forma imediata” os polos dos CTCs, no antigo Centro de Saúde Jorge Caldas, na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da Barra de Macaé, e no Hospital Público Municipal da Serra (HPMS), em Trapiche.

“Iniciamos uma nova metodologia de testagem dos pacientes da Covid-19 (sigla, em inglês, para Coronavirus Disease 2019) em Macaé. Hoje o teste de antígeno é seguro e eficiente e nos permite avaliar, de forma mais precisa, o cenário epidemiológico na cidade, além de bloquear a linha de contágio ao direcionar o isolamento social do paciente testado positivo”, reforçou o secretário adjunto Antônio Soares.

No 1º dia da nova metodologia de testagem, o município realizou 119 testes de antígenos no CTC do Jorge Caldas, com 51 resultados positivos para infecção por coronavírus, encaminhando os pacientes para o isolamento, impedindo que pessoas infectadas continuem transitando pela cidade, podendo infectar novas pessoas.

De acordo com a Secretaria de Saúde, essa nova metodologia será ampliada para garantir o mapeamento dos índices de contágio identificado por bairros, alcançando também familiares e pessoas próximas aos pacientes testados positivos.

“Tivemos uma avaliação positiva da equipe da UFRJ que participa do nosso comitê [científico e técnico de combate ao coronavírus], em relação às ações de identificação de novos pacientes e na assistência aos pacientes graves. Criamos um sistema eficiente de busca à pessoa contaminada para definir o bloqueio de transmissão. Estamos reestruturando a rede para ampliar esse processo”, assegurou o secretário adjunto Antônio Soares.

Mais lidas da semana