Mídias Sociais

Política

Mudança de partido de Eduardo Paes para o DEM não garante candidatura, diz jornalista do Rio

Publicado

em

Sede do Governo do Estado do Rio de Janeiro, Palácio Guanabara ainda não conhece muitos interessados nas eleições que definirão o sucessor do atual governador, Pezão (PMDB), em outubro desse ano

Dois nomes antes tidos como certos na disputa pelo Governo do Estado do Rio de Janeiro nas eleições de outubro desse ano parecem estar reticentes quando às suas participações na corrida eleitoral.

Segundo informações da capital fluminense, mesmo com a mudança de partido, o ex-prefeito do Rio, Eduardo Paes, que se filiou ao DEM, do presidente da Câmara Federal, Rodrigo Maia (DEM-RJ), não garante a candidatura na disputa pelo Palácio Guanabara, sede do governo estadual.

E ele não seria o único que estaria repensando a disputa. Derrotado pelo atual prefeito, Marcelo Crivella (PRB), nas eleições para a sucessão de Paes, em 2016, e também apontado como candidato, Indio da Costa (PSD) é outro que não teria mais tanta certeza sobre o assunto.

As informações foram dadas pela colunista do Jornal Extra, Berenice Seara, que revela que “um velho companheiro” que esteve com Pases na subprefeitura da Barra da Tijuca, e um deputado “muito ligado” a Rodrigo Maia estariam garantindo “que o moço ainda está reticente em assumir a condição de aspira ao Palácio Guanabara”.

Mergulhada em uma das piores crises financeiras e também políticas de sua história, op Estado do Rio de Janeiro tem ex-governadores presos ou acusados de corrupção, além de 3 deputados do alto escalão do Legislativo também presos, e ainda sofre para tentar pagar em dia a pesada folha salarial dos servidores.

Até o momento, o único nome com sua pré-candidatura oficializada para a disputa ao governo estadual do Rio segue sendo o do ex-governador Anthony Garotinho (PRP), que também tem com seu nome envolvido em diversas investigações de corrupção, tendo sido preso 3 vezes em 2017, e que só está em liberdade graças às liminares concedidas pelo ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF).

Mais lidas do mês