Mídias Sociais

Destaque

Líder governista da Câmara de Macaé diz que R$ 18 bi serão investidos na exploração dos campos maduros

Avatar

Publicado

em

 

Relação da cidade com a Petrobras foi muito debatida pelos vereadores

Tunan Teixeira

 

O vereador Dr. Márcio Bittencourt (PMDB) provou mais uma polêmica na Câmara Municipal de Macaé, na manhã desta quarta-feira, 23, ao anunciar que os investimentos na exploração de petróleo nos campos maduros da Bacia de Campos giram em torno de 18 bilhões de reais.

Informações que começaram a ser divulgadas após um seminário realizado em Brasília, em maio, em que o Prefeito Dr. Aluízio (PMDB) participou, davam conta de que o setor privado estaria interessado em investir nos campos maduros, ou seja, aqueles que já haviam esgotado as previsões feitas no início da exploração, na década de 70.

O maior entrave, segundo o Presidente da Schlumberger Brasil, Alejandro Duran, era a prerrogativa da Petrobras, e que, de acordo com conversas dentro da prefeitura, não estaria interessada em fazer esses investimentos.

A diferença entre o valor dos campos previsto na década de 70 e a realidade, atualmente, mudou por causa de novas tecnologias de pesquisa e exploração, que, se empregadas, poderiam render retorno, mas, para isso, seria necessário investimento.

Para atrair esses investimentos, a Prefeitura de Macaé lançou a campanha “Menos Royalties, Mais Emprego” seguiu trabalhando para conseguir apoio político, tanto da Petrobras quanto de órgãos como a Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveisa (ANP) e o Conselho Nacional de Política Energética (CNPE).

Tanto a ANP quanto o CNPE foram fundamentais para a aprovação, recentemente, de uma redução das taxas de royalties dos campos maduros, de 10% para 5%, que começaram a movimentar o mercado do petróleo.

O resultado parece estar começando a aparecer, depois das declarações do líder governista na Câmara Municipal, Dr. Márcio, medidas que foram elogiadas, inclusive, pela bancada de oposição.

“É importante que a gente da oposição reconheça também o esforço de todas as frentes políticas na busca pelo emprego em Macaé, agora não podemos confundir as coisas, porque o próprio governo assumiu aqui na audiência pública da LDO que não tem estudos sobre o número de vagas”, ponderou o líder da oposição, Marcel Silvano (PT).

Petrobras – O tema gerou polêmica entre os parlamentares, que aproveitaram para debater a importância da Petrobras para a cidade de Macaé, que recebeu a estatal no fim de década de 70 e foi profundamente mudada por essa relação.

“Foi uma relação predatória. Não acredito em socorro não. Macaé se prejudicou muito. Ela destruiu a nossa cultura, nossa cidade e nosso meio ambiente; trouxe as ocupações irregulares e a prostituição. E, quando acabou o interesse, ia abandonar a cidade às moscas”, criticou o Presidente da Câmara, Dr. Eduardo Cardoso (PPS).

A posição do ex-secretário de Saúde veio em resposta à ironia de Maxwell Vaz (SD), que agradeceu à estatal pelos investimentos e disse que a estatal estava “mais uma vez socorrendo Macaé”, sem saber que os investimentos não serão feitos pela estatal, mas sim pela iniciativa privada.

O vereador da oposição disse, porém, que a falta de retorno de investimentos à cidade não foi culta da Petrobras, mas sim dos ex-prefeitos da cidade, que comandaram a gestão pública do município no que é considerado o melhor momento de arrecadação da cidade, embora tenha, mais uma vez, escorregado na desinformação ao dizer que a atual gestão não investiu o dinheiro arrecadado em “obras públicas”, esquecendo-se das inaugurações do Mercado de Peixes e do Hospital Público Municipal Irmãs do Horto.

O líder da oposição, Marcel Silvano, preferiu defender a Petrobras, disparando contra os discursos do líder do governo, chamando de “discurso de fragilização da Petrobras”, o que, para ele, faz parte de uma tentativa de desvalorizar ainda mais a empresa, para entregar o petróleo brasileiro para o setor privado.

Dr. Márcio, porém, disse que o governo não tem nenhum interesse em fragilizar a Petrobras, e lembrou que a empresa retirou investimentos dos campos maduros da Bacia de Campos.

Segundo ele, o que a prefeitura conseguiu, durante essa campanha recente, foi a abertura da estatal para que a iniciativa privada pudesse realizar esses investimentos de 18 bilhões de reais, que, conforme acredita o governo, poderão reaquecer a economia do município, reabrindo os postos de emprego perdidos na cidade nos últimos anos.

Foto: Igor Faria

Mais lidas da semana