Mídias Sociais

Cidades

Líder do governo atrasa ainda mais tramitação do Plano Diretor de Macaé

Publicado

em

 

Plano, que deveria ter sido revisado 2016, seria votado na última semana, mas vereador pediu que comissões revejam o projeto

Tunan Teixeira

Em novo retrocesso, a Câmara Municipal de Macaé aceitou pedido do líder do governo, Dr. Márcio Bittencourt (PMDB), que solicitou a interrupção da tramitação do Projeto de Lei 017, de 2016 (PL017/16), que agora voltará para as comissões legislativas.

Na semana passada, também por pedido do líder do governo e do vereador Welberth Rezende (PPS), o projeto foi retirado da pauta no momento em que chegava à votação final, causando um enorme debate entre os parlamentares.

O motivo é uma frase que obriga, na área da Educação, que o tema “educação sexual” seja abordado nas escolas, o que causou enorme dúvida, e até indignação, em diversos parlamentares, tanto da oposição quanto da situação.

Para Dr. Márcio e Welberth, que tiveram apoio de Paulo Antunes (PMDB), Maxwell Vaz (SD), Val Barbeiro (PHS), Zé Prestes (PPS) e Julinho do Aeroporto (PMDB), a frase poderia ser usada para ensinar o que os vereadores chamaram de “absurdo”.

Para eles, a simples frase poderia ser usada – sabe-se lá por quem – para o ensino de orientação sexual, termo que abrange, entre outras coisas, a identidade de gênero, usada no combate à homofobia, mas que causou enorme indignação na maioria dos parlamentares macaenses.

O líder da oposição, Marcel Silvano (PT), todavia, tratou de lembrar aos vereadores que o termo “educação sexual”, conforme está no texto do projeto discutido com a sociedade, Executivo e Legislativo, em 8 audiências públicas no ano passado, trata do estudo, do aparelho reprodutor, de doenças sexualmente transmissíveis e os meios para evitá-las, entre outras áreas relacionadas à biologia e ao corpo humano.

Fazendo isso, o vereador petista, que vale repetir, é o líder da oposição, acabou tendo que defender – pasmem! – os interesses do governo, já que o projeto é de autoria do Executivo e deveria, segundo a legislação, ter sido revisado em 2016, quando completou 10 anos.

“De acordo com os parâmetros do Ministério da Educação, o termo “educação sexual” trata de biologia, do estudo do corpo, e não do tema que está sendo discutindo. Retirar isso do Plano Diretor é um retrocesso. Não podemos voltar para a escuridão”, defendeu Marcel na sessão do último dia 18.

Nesta terça, 24, Marcel lembrou ainda que o atraso na aprovação do PL017/16 pode inviabilizar o recebimento de recursos estaduais e federais através de convênios que dependem da revisão do Plano.

Com o retorno do PL017/16 às comissões, o prazo para a apresentação de emendas foi reaberto pela Mesa Diretora, que não deixou claro quando o projeto deve retornar à pauta para 2ª discussão – ou seria 3ª discussão? – e votação.

Mais lidas da semana