Mídias Sociais

Política

Governo Witzel assume Estado do Rio com Estado de Calamidade Pública Financeira prorrogado até dezembro

Avatar

Publicado

em

 

Na despedida de alguns deputados, eleitos para outros cargos ou não-eleitos, Assembleia Legislativa do Estado do Rio (Alerj) aprovou texto que manteve Estado de Calamidade Pública apenas até o final de 2019

O Estado do Rio de Janeiro entra o ano de 2019 como novo governador, o empossado Wilson Witzel (PSC), mas com velhos problemas, entre eles o Estado de Calamidade Pública Financeira, prorrogado até 31 de dezembro. Isso sem contar a corrupção de seus políticos, muitos deles presos ou alvos de investigação.

A lei que prorrogou o Estado de Calamidade Pública foi sancionada pelo agora ex-governador, Francisco Dornelles (PP), e publicada no Diário Oficial do Executivo da última sexta-feira, 28. O Rio encontra-se nesse estado desde junho de 2016.

Com a prorrogação, o governo continuará permitido a não atender, temporariamente, aos limites de endividamento e de gastos com a folha impostos pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), o que pode facilitar o novo governo.

A medida também impõe como prioridade a manutenção de recursos na Saúde, na Educação e na Assistência Social, além do pagamento de servidores ativos, inativos e pensionistas, pagamentos esses que foram um dos grandes fantasmas da administração anterior.

Inicialmente, o governo queria a prorrogação até 2023, mas a Assembleia Legislativa do Estado do Rio (Alerj), em sua última sessão de votação do ano passado, preferiu um acordo e aprovação do texto com a prorrogação apenas até 2019.

“Entramos em um consenso que deveria ser só até o fim do próximo ano. Caso o próximo governo queira prorrogar, basta enviar outra mensagem para a Alerj no fim do ano que vem”, explicou o deputado Luiz Paulo (PSDB), reeleito para novo mandato, e que também tomou posse nesta segunda-feira, 1 de janeiro.

De acordo com a Alerj, a antiga gestão do Executivo teria afirmado que a ampliação do prazo é uma importante medida para assegurar que o próximo governo possa dispor de condições necessárias de governabilidade.

“Ainda que tenha sido verificado crescimento da arrecadação ao longo dos últimos meses, a situação fiscal do Tesouro Estadual segue impactada pelos efeitos da crise econômica, pelas incertezas quanto aos rumos da economia e pelo déficit previsto para os próximos exercícios. Tais fatos não podem ser ignorados, sob pena de se jogar por terra todo o trabalho até aqui desenvolvido, além de pôr em risco o próprio Regime de Recuperação Fiscal (RRF)”, justificou a antiga gestão à Alerj.

Durante a votação da medida no Legislativo estadual, os deputados aprovaram a emenda que proíbe a realização de novos concursos até a convocação de todos os aprovados em concursos realizados antes de junho de 2016.

“Enquanto não esgotar a convocação dos aprovados não se pode realizar outro concurso. O futuro governador já admitiu interesse em admitir esses servidores”, contou o deputado Paulo Ramos (PDT), que foi o autor da emenda, e rumou para a Brasília, eleito deputado federal na última eleição.

 

Mais lidas do mês