Mídias Sociais

Política

Fortes chuvas de verão preocupam Prefeitura de Macaé, que intensifica ações de combate à proliferação ao Aedes aegypti

Avatar

Publicado

em

 

As fortes chuvas que vêm caindo na região desde o fim do ano passado, e que aumentaram neste início de janeiro fizeram com que a Prefeitura de Macaé ligasse um alerta para a proliferação do mosquito Aedes aegypti, responsável pela transmissão da dengue, da chikungunya e da zika.

Aliadas às altas temperaturas do verão, as chuvas preocupam por proporcionar ao mosquito as condições ideais para sua proliferação, motivo pelo qual a Secretaria de Saúde vem intensificando as ações de prevenção e combate com visitas nos bairros e distritos da região serrana.
Coordenador do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ), Flávio Paschoal lembrou que cerca de 80% dos focos do Aedes estão dentro das residências, e reforçou o pedido para que a população também atue no combate à proliferação do mosquito.

“Este é o momento de todos reforçarem o cuidado com água acumulada e destinarem um tempo para limpeza dos quintais no combate aos possíveis criadouros”, alertou Flávio Paschoal.
De acordo com a prefeitura, o trabalho dos agentes de endemias neste período é intenso, com ações diárias pela cidade, fazendo visitas para eliminar focos do mosquito e conscientizar a população, mas sem esquecer a importância da participação dos moradores na luta contra o mosquito.
“Entre os dias 13 e 17, além das visitas domiciliares, os agentes estarão atuando em pontos estratégicos como borracharias, ferro velho, cemitérios e empresas. Eles fazem inspeção, aplicação de inseticida de ação residual através de bombas aspersoras e orientação nos bairros Novo Cavaleiro, Barra de Macaé, Aroeira, Morro de Santana e Centro”, acrescentou o município.

A prefeitura lembra que o ciclo de reprodução do Aedes aegypti pode variar de 5 a 10 dias, passando pela fase larvária até chegar à forma adulta, e que a fêmea do mosquito deposita seus ovos na parede interna dos reservatórios de água, e os ovos podem sobreviver por aproximadamente 1 ano.
O coordenador do CCZ explicou ainda que que quando o ovo entra em contato com a água, ele eclode e inicia o ciclo e, que por isso, vistoriar dentro de casa e nos quintais é fundamental para eliminar possíveis focos de proliferação do mosquito.

“Encontramos, em muitos bairros, pessoas armazenando água em tonéis, mas para evitar a proliferação do mosquito, é preciso que o depósito [da água] esteja fechado adequadamente, evitando que os recipientes se tornem criadouros do Aedes”, ensinou Flávio Paschoal.
Para controlar a proliferação do mosquito, a orientação do governo municipal é manter os quintais sempre limpos, recolher, eliminar ou guardar longe da chuva todo objeto que possa acumular água, como pneus velhos, latas, recipientes plásticos, tampas de garrafas, copos descartáveis, e acondicionar o lixo doméstico em sacos plásticos e descartá-lo adequadamente, em depósitos fechados.
“Depois da chuva, é recomendado fazer a vistoria no quintal e na casa para eliminar a água acumulada sobre lajes, calhas, tanques, pratinhos de vasos de planta. Baldes, potes, bacias, e outros recipientes que guardam a água de beber e para outros usos domésticos, assim como a caixa d'água, devem ser mantidos limpos e fechados para evitar o risco de proliferação do mosquito”, completou a prefeitura.

Mais lidas da semana