Mídias Sociais

Política

Eduardo Paes e Pedro Paulo seguem inelegíveis e agora tentam reverter situação junto ao TSE

Publicado

em

 

Ex-prefeito do Rio, Eduardo Paes (PMDB), e seu pretenso sucessor à prefeitura, Pedro Paulo (PMDB), durante campanha eleitoral em 2016. Ambos tiveram condenação mantida por abuso de poder econômico e político nesta semana

Em decisão anunciada na noite da última terça-feira, 3, o Tribunal Regional Eleitoral do Estado do Rio de Janeiro (TRE-RJ) manteve a condenação por abuso de poder econômico e político do ex-prefeito do Rio, Eduardo Paes (PMDB) e do deputado federal Pedro Paulo (PMDB-RJ).

A decisão foi do presidente do TRE-RJ, desembargador Carlos Eduardo da Fonseca Passos, que negou recurso impetrado pelos advogados de defesa da dupla pelos crimes ocorridos durante a campanha eleitoral em que o parlamentar concorreu à Prefeitura do Rio, em 2016.

Com a decisão, Eduardo Paes e Pedro Paulo seguem inelegíveis, mas poderão recorrer ainda ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), em última instância, para tentarem se manter com chances de disputar as próximas eleições, em outubro deste ano.

O ex-prefeito vinha sendo um dos nomes especulados dentro do PMDB do Rio para a disputa do governo estadual enquanto o deputado estaria mirando a renovação de sua cadeira na Câmara Federal.

A ação contra a dupla foi ajuizada pela coligação Mudar é Possível, formada pelo PSOL e pelo PCB, que teve como candidato a Prefeito do Rio o deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL), derrotado pelo atual prefeito, Marcelo Crivella (PRB) no segundo turno.

Essa é a 3ª decisão tomada no processo contra Eduardo Paes e Pedro Paulo, pretenso sucessor do primeiro no Executivo carioca, mas que acabou derrotado ainda no primeiro turno, com apenas 16,12% dos votos válidos, pouco mais de 480 mil.

Em dezembro do ano passado, o TRE-RJ já havia decretado a inelegibilidade dos 2, aplicando ainda uma multa de 100 mil reais para cada um, e em fevereiro deste ano, o colegiado do Tribunal manteve a sentença, que ainda cabe recurso junto à última instância da Justiça Eleitoral, o TSE.


 

Mais lidas do mês