Mídias Sociais

Política

CEAM de Macaé e Patrulha Maria da Penha são referências no atendimento às mulheres vítimas de violência na região

Avatar

Publicado

em

 

Em evento realizado na última quarta-feira, 26, o Centro Especializado de Atendimento à Mulher (CEAM) recebeu equipe do Centro Integrado de Atendimento à Mulher (CIAM), de Itaperuna, para uma visita técnica.

De acordo com a prefeitura macaense, o objetivo foi informar sobre como funciona a atuação da rede de proteção e atendimento às mulheres, que há 2 anos contam com a Patrulha Maria da Penha, implantada em Macaé em 2017.

“Nossa motivação veio por meio da Patrulha Maria da Penha. Macaé é referência no atendimento e acolhimento à mulher e a nossa proposta é levar o projeto para Itaperuna. Queremos acolher, mas, também, enfrentar e prevenir esse tipo de violência. Somos gratas a Macaé pela iniciativa e por nos auxiliar nesse propósito”,  avaliou a  coordenadora do CIAM de Itaperuna, Cintia Campos, ao site da Prefeitura de Macaé.

Para a coordenadora do CEAM de Macaé, Jane Roriz (no centro da foto), não se trata apenas de auxiliar os outros municípios, mas também promover a integração com os municípios e a troca de experiências entre órgãos de segurança.

“O diálogo com outros municípios fortalece o atendimento às assistidas. Houve um caso, por exemplo, de uma vítima de tentativa de feminicídio em Itaperuna. Na ocasião, a vítima recebeu todo auxílio do Centro Integrado de seu município. Porém, ela precisou vir para Macaé para contar com o apoio de seus familiares. No período que ela permaneceu aqui, nós, do CEAM, demos continuidade ao atendimento. Tudo isso ocorreu devido à integração”, explicou Jane Roriz.

Os municípios de Quissamã e Rio das Ostras também implantaram seus Centros Integrados e a Patrulha Maria da Penha, por meio da referência de Macaé. Além desses, Saquarema e Campos dos Goytacazes estiveram no município com a proposta de realizar o projeto que, em Macaé, disponibiliza atendimento 24 horas para mulheres vítimas de violência.

Para prestar atendimento e acolhimento às vítimas, o CEAM tem uma rede de multiplicadores que inclui profissionais da 123ª Delegacia de Polícia (123ª DP), do 32º Batalhão de Polícia Militar (32º BPM), da Defensoria Pública, do Juizado Criminal, do Ministério Público do Estado do Rio (MPRJ), da Secretaria de Saúde e do Hospital Público Municipal (HPM).

Segundo a prefeitura, o CEAM funciona como centro de proteção e atendimento à mulher, sempre preservando o sigilo da assistida, com um trabalho que conta com uma equipe multidisciplinar formada por assistente social, psicólogos e advogados, que realizam acolhimento e direcionamento conforme a demanda.

Para obter mais informações, os cidadãos de Macaé contam com um número de WhatsApp, (22) 99707-2085, além dos telefones 0800 282 2108 ou (22) 2796-1045, e do atendimento presencial, que funcionada na sede do CEAM, de segunda a sexta-feira, na Rua São João, 33, no centro da cidade, ao lado da 123ª DP.

Mais lidas da semana