Mídias Sociais

Política

Além de Macaé, Rio das Ostras e Campos já têm centros de triagem para conter avanço do coronavírus na região

Avatar

Publicado

em

 

Enquanto as prefeituras de Campos dos Goytacazes, Macaé e Rio das Ostras, estenderam as medidas de confinamento e suspensão da maioria das atividades comerciais em seus municípios, outras cidades da região começam a flexibilizar as medidas para algumas atividades.

Foi o que fizeram, nesta sexta-feira, 27, os prefeitos de Casimiro de Abreu, Paulo Dames (PSB), e de Quissamã, Fátima Pacheco (DEM), que liberaram o funcionamento de alguns comércios a partir desta sexta.

Em Casimiro, o prefeito assinou novo decreto nesta quinta-feira, 26, permitindo a reabertura apenas das lojas e material de construção, ferragens e equipamentos de proteção individual, não permitindo aglomeração de pessoas, desde que sigam a orientação de disponibilizar aos clientes o uso de álcool 70%.
“A medida foi considerada de extrema importância para não afetar o setor da construção civil, um dos seguimentos essenciais para a economia do Estado do Rio. O governo municipal está muito preocupado com a economia, mas entende que ainda é preciso restringir e priorizar vidas”, justificou a Prefeitura de Casimiro nesta sexta.

Em Quissamã, a prefeita autorizou a reabertura de lojas de conveniência, lanchonetes, pizzarias, quiosques e trailers estão autorizados a reabrir, apenas para a entrega e retirada dos produtos no próprio estabelecimento, sendo vedado o consumo no local.

O decreto da Prefeitura de Quissamã, publicado nesta quarta-feira, 25, traz ainda o adiamento, por 90 dias, do pagamento da contraprestação devida pelos responsáveis pelos quiosques municipais, decorrente dos contratos de concessão em vigor.

Em Rio das Ostras, também nesta quarta-feira, o prefeito Marcelino Borba (PV), publicou novo decreto atualizando as atividades comerciais que estão com as atividades suspensas na cidade até o próximo dia 8 de abril.

O decreto mantém fechados na cidade, restaurantes, bares, lanchonetes, shoppings, lojas, agências de turismo, escolas, cursos, imobiliárias, academias, salões de beleza, barbeiros, salões de manicure, petshops, casas de ração, hotéis, pousadas e afins, e permite o funcionamento de cartórios, bancos, lotéricas, oficinas mecânicas, borracharias, lava jatos, correios, funerárias, serviços de telefonia e internet, postos de combustíveis, supermercados , hortifrútis e outros de gêneros alimentícios, como açougues, peixarias, e padarias, além de veterinárias, laboratórios, e farmácias e serviços de saúde, incluindo de saúde animal.

Triagem e isolamento – Na mesma publicação dos atos oficiais, a Prefeitura de Rio das Ostras criou uma estrutura, anexa ao Pronto-Socorro (foto), para ajudar na triagem de possíveis casos de coronavírus na cidade.

De acordo com a prefeitura, a unidade terá profissionais da Saúde que estão passando por treinamento, visando a ampliação da equipe de atendimento para um novo Centro de Triagem que será inaugurado no Centro de Saúde Extensão do Bosque.

“O atendimento na unidade anexa será feito todos os dias, inclusive nos finais de semana, das 8h às 23h, com auxílio de médicos, enfermeiros e técnicos em enfermagem. O trabalho seguirá todas as recomendações do Ministério da Saúde e da Organização Mundial de Saúde (OMS), quanto à higienização e distanciamento entre pacientes, e contará com a supervisão de uma enfermeira da Comissão de Infecção Hospitalar (CCIH). Quem deve comparecer ao local para triagem são as pessoas que apresentam somente sintomas como febre, tosse seca, dor de garganta e, principalmente, falta de ar.

O Centro de Triagem do Centro de Saúde Extensão do Bosque está previsto para ser inaugurado até o fim deste mês. No entanto, se houver necessidade, a tenda do Pronto-Socorro poderá dar continuidade ao seu funcionamento, tornando-se assim mais uma linha de frente no combate ao coronavírus”, concluiu a prefeitura.

Em Campos, onde o 1º caso da doença foi confirmado na região nesta semana, a prefeitura realizou uma ação conjunta com o Ministério Público do Estado do Rio (MPRJ) e as forças de segurança para esclarecer a importância do isolamento social.

Nesta sexta-feira, 27, o prefeito Rafael Diniz (CIDADANIA) se reuniu com os promotores de Justiça, Marcelo Lessa e Fabiano Rangel, com o delegado da 146ª Delegacia de Polícia (146ª DP), de Guarus, Pedro Emílio Braga, e com o coordenador da seccional em Campos do Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio (CREMERJ), Dr. Rogério Bicalho, para conceder entrevista coletiva sobre o tema.

“Este é um movimento conjunto das autoridades que entendem que o momento é de união, de preservação de vidas. Os decretos continuam em vigência até o dia 5 de abril que foi o prazo estabelecido por autoridades de saúde para controlar a situação. A situação econômica preocupa a todos, mas precisamos preservar vidas”, voltou a defender Rafael Diniz.

O prefeito já havia se posicionado nesta semana, em vídeo publicado em sua página no Facebook, mantendo as orientações de isolamento, após as declarações em rede nacional do presidente da república, Jair Bolsonaro (PSL), contrariar as determinações da OMS e recomendar que as pessoas deveriam voltar a normalidade.

Muito mais veemente que o prefeito, o promotor de Justiça do MPRJ, Marcelo Lessa se mostrou perplexo diante de uma manifestação realizada na manhã desta sexta em Campos, com a aglomeração de cerca de 50 pessoas.

“O que querem, contar corpos? As medidas de isolamento social são justamente para evitar que o vírus se espalhe entre as pessoas. Campos tem, até o momento, apenas 1 caso confirmado da doença e esse é o objetivo das medidas adotadas, controlar, frear essa situação que o mundo vem enfrentando”, disparou o promotor.

Assim como acontece em Macaé, onde o prefeito Dr. Aluizio (PSDB) vem sendo um pioneiros nas medidas de prevenção ao coronavírus, em Campos, Rafael Diniz também criou um Centro de Controle e Combate ao Coronavírus, além de implementar barreiras sanitárias nas principais vias de acesso da cidade.

Com exceção das atividades comerciais que atuam dos setores de comercialização de alimentos, água, gás e combustíveis, todo o restante do comércio de Campos permanece fechado por decreto do prefeito.

O funcionamento de postos de combustíveis em todo o país segue orientações da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), abrindo das 7h às 19h, enquanto agências bancárias estão com atendimento presencial suspenso em bancos, casas lotéricas, agências de crédito e afins, sendo permitido apenas o atendimento presencial para pagamento de benefícios sociais, seguro desemprego e Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), bem como funcionamento dos terminais de autoatendimento.

De acordo com dados divulgados pela Secretaria Estadual de Saúde do Rio na noite desta quinta-feira, o número de casos confirmados em território fluminense passa dos 420, enquanto o número de mortos subiu para 9.

Mais lidas da semana