Mídias Sociais

Polícia

Segurança é investimento, avalia prefeito de Macaé

Avatar

Publicado

em

 

Município anunciou nesta quarta-feira (17), a elaboração de um plano de segurança pública e a publicação do edital para a construção da Delegacia de Homicídios (DH).

Durante coletiva de imprensa realizada na manhã desta quarta-feira (17), no Centro de Convenções de Macaé, foram definidas novas metas para o âmbito da segurança pública no município.

Participaram da reunião, o prefeito Dr Aluizio, o delegado Daniel Bandeira, chefe do 6ª DPA (Divisão de Polícia Administrativa), o delegado titular da Polícia Federal de Macaé, Felício Laterça, os delegados da 123ª Delegacia Policial de Macaé (123ª DP), Filipi Poeys e Rodolfo Maravilha, o comandante do 32º Batalhão de Polícia Militar (32º BPM), coronel Marco Aurélio Vollmer e o secretário adjunto de Segurança, André Luiz Monteiro.

Dr Aluizio anunciou a elaboração de um pacote de segurança pública, que está sendo discutido pela comissão formada por representantes do governo municipal e das forças de segurança. A medida será encaminhada à Câmara Municipal logo após o fim do recesso parlamentar, previsto para 17 de fevereiro.

“Segurança é um grande ativo, segurança é investimento. Num futuro próximo as pessoas buscarão cidades mais seguras e isso já acontece. Então, se uma cidade quer ser forte industrialmente e no que tange ao oferecimento de vagas no mercado de trabalho, é fundamental que seja uma cidade segura. A gente vem buscando essa segurança unindo essas forças que tem nos atendido em todos os momentos. Vamos enviar para a Câmara um projeto elaborado para que sejam feitas as adequações necessárias no setor o quanto antes”, destacou o prefeito.

Dr Aluizio também informou que nesta quinta-feira (18) será publicado o edital da Delegacia de Homicídios (DH), um fato significativo e que irá mudar definitivamente a relação da segurança pública em toda a região. “Macaé será o epicentro de toda uma região, os esforços irão sair daqui até Cabo Frio e Campos e isso parte de uma visão do Governo do Estado, de toda a área da Segurança Pública, que Macaé abraça por uma necessidade e abraça com muita gratidão e muito respeito”, enfatizou Dr. Aluízio.

Representando a chefia da Polícia Civil do Rio de Janeiro, o delegado Daniel Bandeira anunciou que junto à DH, Macaé também ganhará as seguintes delegacias regionais: Roubos e furtos de automóveis, Roubos de furtos de cargas e a Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA).

“Todas essas sedes serão ficaram no mesmo complexo da DH, que a gente costuma chamar de Cidade da Polícia”, pontou Bandeira, destacando o interesse do município em atuar junto às forças de segurança pública. “Quero deixar clara a alegria da Polícia Civil pelo interesse do município pela causa pública. Ficamos muito felizes e agradecidos pelo interesse. Quisera tivéssemos vários representantes municipais com a mesma disposição que o prefeito de Macaé tem demonstrado. A cidade só tem a ganhar, assim como toda a região”, encerrou o delegado.

Outro passo para alavancar as ações em defesa de toda a população macaense, será a demolição de barracos construídos no Lagomar e que vinham sendo utilizados pelo tráfico para armazenamento de drogas, armas e munições, além de servir como esconderijo para traficantes. O local de invasão fica bem próximo à restinga da comunidade, onde foram iniciados os confrontos do dia 9, que resultou na morte do cabo Renê. Ao todo 96 casas serão derrubadas. A ação será realizada a partir das 7h desta quinta-feira (18) pela secretaria de Infraestrutura, com o apoio da Polícia Militar e de outros setores do governo.

NÚMEROS

Os confrontos no Lagomar, em Macaé, foram iniciados no dia 9 de janeiro por traficantes de facções criminosas rivais que travaram uma guerra na disputa de territórios do tráfico.

No balanço parcial da operação batizada como “Guerra de facções ADA x CV”, constam números e informações que evidenciam o porte da situação.  Seis pessoas morreram-, uma delas o cabo do Grupamento de Ações Táticas da PM, Renê Araújo, de 35 anos.

Ao todo 35 pessoas foram conduzidas à delegacia, 21 suspeitos foram presos, Deste total, cinco presos já foram indiciados por participação na morte do cabo Renê e outros dois ainda serão indiciados após conclusão de inquéritos da Polícia Civil.

Sete veículos foram apreendidos e estão sendo investigados por participação nos ataques do dia 9. Dez armas foram arrecadadas sendo um fuzil, duas espingardas, cinco pistolas e dois revólveres. Ao todo 516 munições foram apreendidas.
Entre as drogas retiradas de circulação foram 962 buchas de maconha; 272 pinos de cocaína e 427 sacolés de cocaína. Ontem (16), após uma intensa varredura na Malvinas, foram encontrados 1. 760 invólucros de cocaína e 9240 invólucros de maconha, totalizando 17 quilos e 300 gramas de maconha e 4 quilos e 400 de cocaína. O material estava enterrado em tonéis no mangue da comunidade.

Autor: Bertha Muniz

Foto: Rui Porto Filho/SECOM

Mais lidas da semana