Mídias Sociais

Destaque

Policial Militar e mais dois são presos acusados de comandarem milícia em Araruama

Bertha Muniz

Publicado

em

 

Ação foi deflagrada pelo MP e pela Polícia Civil. Grupo agia agredindo e extorquindo moradores do município. 

Agentes da Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas e de Inquéritos Especiais (Draco) e do Ministério Público do Rio (MPRJ) prenderam, na manhã desta quarta-feira (2), três suspeitos de comandar uma milícia que atua em Araruama, na Região dos Lagos, agredindo e extorquindo moradores do município. O objetivo da ação é desarticular uma organização acusada de praticar de inúmeros crimes como roubos, extorsões e sequestros.

De acordo com as duas denúncias apresentadas pelo GAECO/MPRJ, o grupo é chefiado pelo ex-policial militar Marcos André Rodrigues Gloria Machado, o Marcão, e composto pelo policial militar Maicon de Souza Ribeiro, além de Michel de Souza Ribeiro. Eles são acusados de roubarem R$ 10 mil, um automóvel e celulares, e de tentarem tomar para si, por meio de ameaças e agressões, um imóvel na região da Pontinha.

As investigações apontaram que no dia de fevereiro de 2019, por volta das 11h, na Estrada de São Vicente, Maicon e Marcão, com a ajuda de uma pessoa identificada como “Diego”, mediante violência física e grave ameaça com o emprego de arma de fogo, obrigaram uma das vítimas a sacar R$10 mil de sua conta bancária e entregar o valor aos mesmos. Além disso, também roubaram um automóvel pertencente à mãe da vítima, identificando-se como policiais.

Em outra oportunidade, no dia 5 de junho de 2019, em uma residência no bairro Pontinha, Maicon, Michel e “Marcão”, também com a ajuda de “Diego” e mediante agressões físicas, ameaça com arma de fogo e restrição de liberdade, obrigaram uma das pessoas encarceradas a entregar a escritura de sua casa e a se retirar do imóvel, juntamente com seu filho, com o objetivo de se apossarem ilegalmente do bem. Além disso, tomaram para si dois aparelhos celulares pertencentes às vítimas. As investigações prosseguem para identificar se os denunciados tem envolvimento na milícia local.

Mais lidas da semana