Mídias Sociais

Destaque

Moradores do Condomínio Parque Atlântico, em Macaé, ficam sem energia após corte de “gato”

Bertha Muniz

Publicado

em

 

O corte atingiu 30 casas, deixando cerca de 200 pessoas sem luz. Segundo moradores, parte dessas ligações irregulares existe desde 2009.

Moradores do Condomínio Parque Atlântico, no bairro São José do Barreto, em Macaé, que tinham ligação clandestina de energia elétrica, tiveram a energia cortada nesta terça-feira (4) pela Enel. A Polícia Civil esteve no local e acompanhou a ação. Segundo condôminos, agentes estava à procura do proprietário do empreendimento, que não foi encontrado.

O corte atingiu 30 casas, deixando cerca de 200 pessoas sem luz. Segundo moradores, parte dessas ligações irregulares existe desde 2009. No ano passado, o responsável pela venda dos lotes do condomínio já havia sido preso e liberado após o pagamento de fiança.

Além da ligação irregular de energia elétrica, o condomínio também possui gato no abastecimento de água.  Moradores afirmam que quando compraram os terrenos as ligações clandestinas já existiam e que o proprietário do condomínio afirmou que regularizaria a situação.

Entre as pessoas que tiveram a energia cortada, algumas disseram ter doentes em casa, que não podem ficar o fornecimento, além de crianças. Alguns moradores também tomam insulina de manhã e à noite, e dependem de geladeira para que o medicamento não estrague.

Ainda de acordo com moradores, todas as casas do residencial foram construídas pelos proprietários de cada imóvel, que compraram terrenos do loteamento em acordos fechados diretamente com o construtor. “Todos compraram lotes e receberam um documento de compra e venda, porém nenhuma escritura foi entregue”, relatou uma moradora que não quis se identificar por medo de represália.

Na manhã desta quarta-feira (5), uma comissão de moradores do Condomínio Parque Atlântico esteve na sede da prefeitura de Macaé, para tentar agendar uma reunião com o prefeito, Dr Aluizio, no intuito de regularizar o loteamento. “ O ideal seria que a prefeitura extinguisse o condomínio para que cada proprietário fosse responsável por suas ligações tanto de luz, quanto de água”, afirmou um morador.

Na tarde desta terça-feira (4), moradores estiveram na 123ª Delegacia Policial de Macaé (123ª DP), para registrar queixa pelo ocorrido. De acordo com representantes da comissão do Parque Atlântico, a orientação da autoridade policial foi para que todos se reunissem e entrassem na Justiça com urgência contra o dono do condomínio por estelionato.  Enquanto isso, as famílias do residencial continuam sem energia elétrica. Nossa equipe de reportagem entrou em contato com a Enel e aguarda o retorno.

Mais lidas do mês