Mídias Sociais

Destaque

Há pouco mais de um mês, família busca por resposta sobre desaparecimento de ex-jogador do Macaé Esporte

Bertha Muniz

Publicado

em

 

Há mais de um mês, familiares do ex-jogador do Macaé Esporte, Joilson Moreira de Souza, de 33 anos, está à sua procura.  O jovem, que jogava na posição meia-direita, trabalhava embarcado em uma plataforma na Bacia de Campos. Em 25 de outubro, um dia após desembarcar, ele esteve na casa da mãe, em Macaé, para almoçar.

Familiares relatam que no dia 26, uma sexta-feira, Joilson teria saído de casa, na Vila Badejo, por volta de 10h30, vestindo uma bermuda, camisa preta e sandálias no seu automóvel, um modelo C4 da Citroen de cor prata. Além de ex-atleta, Joilson também é irmão do jogador de futebol Marcos Moreira, o Marquinho, bastante conhecido do público. De acordo com o atleta, a família está desesperada com o sumiço do irmão.

O último contato telefônico de Joilson com a família foi feito na manhã do dia 26. A tarde ele já não respondia mais as ligações. O carro dele também sumiu. A ocorrência do desaparecimento do ex-jogador foi registrada no dia 27 de outubro na 123ª Delegacia Policial de Macaé (123ª DP). Joilson tem uma filha de nove anos e mantinha um relacionamento com uma mulher com quem esteve no último dia em que foi visto por familiares e amigos. Ela foi uma das testemunhas que comunicou o desaparecimento de Joilson à polícia.

“A Polícia Civil está aguardando a quebra do sigilo telefônico do meu irmão para ver qual foi o último ponto em eu ele esteve e a última pessoa que ele falou. Ele sempre foi uma pessoa boa, que não tinha inimigos”, conta Oséas Oliveira, irmão de Joilson.

A família do ex-jogador é grande, ele possui oito irmãos. Buscas já foram feitas em hospitais da região e no Instituto Médico Legal (IML) de Macaé, todas sem sucesso. Dona Helena, mãe de Joilson, ainda têm esperanças de reencontrar o filho.

“Ele era muito apegado à família e sempre dizia para onde ia. Deus tem me sustentado, só o queremos de volta”, relatou a matriarca da família. A Polícia Civil foi procurada por nossa equipe de reportagem, mas não forneceu detalhes sobre as investigações do caso, que correm em sigilo.

 


 

Mais lidas do mês