Mídias Sociais

Polícia

Dono de mercado e sua família são feitos reféns por assaltantes no Sana, em Macaé

Avatar

Publicado

em

 

Vítimas foram amarradas com ataduras e lençóis e ficaram em um quarto enquanto a quadrilha vasculhava a residência;  Caso ocorreu na madrugada desta quinta-feira (14) e foi registrado na 121ª DP (Casimiro de Abreu). 

Um comerciante e sua família foram feitos reféns por quatro bandidos armados na madrugada desta quinta-feira (14), no Sana, 6º Distrito de Macaé. Segundo uma das vítimas, por volta das 3h da manhã, quatro homens armados com uma pistola renderam o dono do Mercadinho Grativol e o motorista do caminhão, que se preparavam para irem ao Ceasa fazer compras para o estabelecimento.

Eles estavam no portão da residência do empresário, localizada no Arraial do Sana, quando foram abordados pelos assaltantes. De acordo com testemunhas, os bandidos estavam em um Ford Fusion preto.

Os criminosos levaram os dois para dentro da casa do comerciante, onde renderam também sua mulher e seus filhos. As vítimas foram amarradas com ataduras e lençóis e ficaram em um quarto, enquanto a quadrilha vasculhava a residência à procura de um possível cofre.

“O dono do supermercado disse aos bandidos que não havia cofre, mas eles apontavam a arma para a família dele e ameaçavam o tempo todo dizendo que queriam o cofre”, disse uma testemunha.

Os reféns ficaram por cerca de uma hora sob a mira dos criminosos. Depois de revirarem o quarto do casal, eles deram uma coronhada na cabeça do empresário e fugiram levando aparelhos celulares, joias, dinheiro e até o caminhão, que foi abandonado horas depois na localidade São Romão.

Ainda de acordo com testemunhas, o empresário está muito abalado com o crime. “Os bandidos diziam a todo o momento que não queriam matar ninguém, mas é muito difícil ver sua família na mira dos bandidos”, disse um amigo das vítimas.

Assustados, moradores pedem apoio e se dizem abandonados pelas forças de segurança pública. Sem agências bancárias e sem patrulhamento, a cidade vira alvo de ações criminosas. “Não há policiamento no Sana. Todo mundo sabe que as pessoas não têm onde guardar dinheiro. Muitos comerciantes não possuem cartão e guardam no próprio comércio ou em suas residências. Essa informação roda no mundo todo e isso aqui virou terra de ninguém”, avaliou um morador que não quis se identificar.

A ocorrência foi registrada na 121ª Delegacia Policial de Casimiro de Abreu (121ª DP). Procurado, o comando do 32º Batalhão de Polícia Militar (32º BPM), não se manifestou sobre a intenção de reforçar o patrulhamento no Sana.

Autor: Bertha Muniz

Mais lidas da semana