Mídias Sociais

Esporte

Jornal aponta motivos para a crise no futebol do Flamengo que vão além de Rogério Ceni

Sérgio Barcellos

Publicado

em

 

O jornal Extra trouxe nesta semana uma reportagem sobre os bastidores do Flamengo. Em meio a crise no futebol, grande parte da culpa pelos maus resultadores recaem sobre o téncico Rogério Ceni. Só que a publicação fez um alerta pertinente, chamando a atenção para a guerra por liderança interna, onde ao que tudo indica, está prevalecendo os atletas.

A reportagem cita a passagem de Jorge Jesus para sustentar a tese que de que o time está sem comando nos bastidores. O português centralizava as decisões sobre o elenco, batendo de frente com atletas líderes do plantel como Diego Alves, Diego Ribas, Rafinha, Filipe Luís, entre outros.

Um dos exemplos é que quando o elenco pedia para trocar o horário de um treinamento para ficar com a família, Jesus negava o pedido afirmando que não iria para Portugal ver os seus. De acordo com o Extra, esse tipo de liderança foi desfeita nos bastidores com a saída do português.

O Extra alerta para a pouca presença de dirigentes no contato diária com os jogadores. O presidente Landim raramente é visto no CT. É o contrário do vice de futebol Marcos Braz e do diretor Bruno Spindel, que vão ao Ninho quase que todo dia. Só que ainda assim, esse contato é visto como insuficiente pelo jornal.

Sem o poder centralizado em uma figura, ele se desfez e o comando se dividiu. Líderes do elenco ganharam voz ainda mais ativa nos bastidores. Daí surgiram os comentários de que os jogadores tomaram conta do Flamengo. Quando chegou ao Flamengo, Rogério Ceni se escorou no grupo mais velho, o que acabou por dar ainda mais poder aos líderes do elenco.

A proximidade de Rogério com o grupo ainda favoreceu jogadores ligados aos líderes do elenco, como Renê, Arão, Gustavo Henrique, Léo Pereira, dentre outros. Isso criou um sentimento de que a concorrência interna por uma posição no time não está sendo estimulada, papel que caberia a Ceni. Sem essa concorrência, é natural os titulares se acomodarem. O treinador ainda estaria abrindo alguns precedentes por alguns pedidos dos líderes do elenco, não adotando tanta rigidez nas cobranças por horários.

Foto: Alexandre Vidal

 

Mais lidas da semana