Mídias Sociais

Destaque

Macaé participa da Semana de Combate ao Acidente Vascular Cerebral (AVC)

Avatar

Publicado

em

 

Dezessete milhões de pessoas, por ano, são atingidas pela doença, causando 6,5 milhões de morte anualmente.

Daniela Bairros

A cidade de Macaé está participando da Semana de Combate ao AVC (Acidente Vascular Cerebral). Segundo as estatísticas, a doença, atualmente, atinge 17 milhões de pessoas por ano em todo o mundo, causando 6,5 milhões de mortes anualmente. Uma em cada seis pessoas terá um AVC durante sua vida e, atualmente, são 26 milhões de sobreviventes no mundo que vivem com alguma incapacidade permanente, devido à doença.

Visando a diminuição dos números, nesta semana, teve início a Campanha Mundial e Nacional de Combate ao AVC, com o tema: a prevenção. No Brasil, a Rede Brasil AVC conta com o apoio de diversos órgãos e clínicas do país, para divulga-la, entre elas a Unicor Macaé, que fará um trabalho de conscientização nas redes sociais sobre a doença.

Segundo o neurocirurgião da Unicor Macaé, Rangel Guimarães, o tema deste ano, “Qual é o seu motivo para prevenir um AVC?”, é muito pertinente, pois realmente a prevenção é o melhor caminho a ser seguido. “Medidas simples devem ser adotadas, como: não fumar, utilizar pouco sal nos alimentos, praticar exercícios físicos regularmente, manter uma dieta rica em frutas e vegetais, evitar a obesidade, limitar o consumo de álcool, tratar adequadamente a hipertensão arterial, a hipercolesterolemia e a fibração atrial”, explicou o médico.

O neurocirurgião destacou que o AVC pode atingir pessoas de qualquer idade, inclusive crianças, e todas as pessoas que convivem com o paciente são afetadas de alguma forma. “Por isso é muito importante conhecer o sintomas e encaminhar o paciente imediatamente para um pronto atendimento. O AVC pode se manifestar de diferentes formas. Os sintomas mais comuns são: paralisia e/ou dormência da face, braço e perna do mesmo lado; dificuldade para falar ou compreender o que os outros falam com você; dificuldade na visão e dificuldade no equilíbrio. O tempo é fundamental para o tratamento da doença”, ressaltou.

O neurocirurgião explicou que há dois tipos de tratamento. “O mais indicado é a trombólise intravenosa, que deve ser realizada em no máximo até 4h30 do início do AVC, com potencial para desobstruir a artéria ocluída e assim reverter os sinais e sintomas. Nos casos em que não ocorre a recanalização da artéria ou o paciente esteja entre 4h30 e 6h do início dos sinais e sintomas do AVC, podemos realizar a trombectomia mecânica com desobstrução da artéria. Após esta fase inicial, devemos iniciar a prevenção secundária de outros eventos isquêmicos, com remédios anticoagulantes nos casos da doença de origem cardioembólica. Para reabilitação do paciente utilizamos a fisioterapia e a fonoaudiologia”, finalizou o médico.

Crédito: Divulgação

Mais lidas da semana