Mídias Sociais

Cultura

Macaenses se despedem do jornalista José Milbs Lacerda Gama, fundador do Jornal O Rebate

Avatar

Publicado

em

 

Cronista, escritor e editor do jornal O Rebate faleceu no último dia 31 de dezembro aos 79 anos vítima de câncer.

Daniela Bairros

Os macaenses se despediram neste início de 2019 do jornalista José Milbs Lacerda Gama, fundador do Jornal O Rebate.  O cronista, escritor e editor do jornal O Rebate faleceu no último dia 31 de dezembro aos 79 anos, vítima de câncer.

“O José Milbs era um dos jornalistas mais modernos da sua geração”, assim afirmou o também jornalista Roberto Barbosa.

Segundo Barbosa, “curioso” como era, José Milbs Lacerda Gama era agregado à cultura do jornal impresso, mesmo na era da tecnologia, rede social e plataformas digitais. “Ele registrava historicamente Macaé, com ardor e veracidade. Era de uma inteligência brilhante. Acompanhando o jornalismo online, ele atualiza as plataformas digitais do Rebate no facebook, instagram, compartilhava as notícias e entrevista que fazia no whatsapp. Era um conhecedor profundo do jornalismo atual. Era muito antenado. Vai deixar saudades”, ressaltou.  

Milbs também foi considerado o fundador do PT (Partido dos Trabalhadores) de Macaé. No perfil digital do Jornal O Rebate, Milbs demonstrava sua paixão por narrar os acontecimentos na cidade e a preocupação em deixar um legado. Ele editava o jornal desde 1968 e buscava escrever as histórias e fatos que podem levar as pessoas ao caminho belo de suas lembranças. Fazia isso com o objetivo de deixar para as gerações futuras textos que possam servir de encantamento e pesquisas de pessoas que viveram nos anos em que ele viveu.

Em sua página numa rede social, a professora de história de Macaé, Jenifer Maciel, homenageou o amigo Milbs com a postagem: “Hoje eu acordei com uma notícia muito triste, você amigo, que mais me ensinou sobre o que é Resistência, Igualdade Social e Democracia, se foi. Meu maior remorso foi não ter tomado meu último café com você, não ter te escutado falar pela última vez sobre os textos (que eu não escrevia tão bem) para o seu site, ver você me fazer contactar UNES, UBES e um monte de papel quase sem valia, mas só pra ver o brilho da esperança nos seus olhos sobre a possibilidade de reerguer a FEM ( Federação Estudantil Macaense). Agora, toda vez que eu passar pela praça dos Estudantes me lembrarei de você amigo. E que essa dor do remorso de não ter me despedido se transforme futuramente em uma linda homenagem ao estudante mais resistente que já conheci. Vá com Deus meu amigo, e Jose Milbs Lacerda Gama... Jose Milbs GamaQuem sabe no céu um dia tomaremos nosso café filosófico da tarde. Porque ainda precisamos de sonhadores.”

Imprensa de Macaé de Luto

O comerciante Cesar CalCel e também presidente do PV Macaé também se manifestou, homenageando José Milbs. “Hoje você não está mais entre nós, mas apesar de fisicamente não estar mais presente, deixou sua marca em todos os seus alunos, e com certeza em todas as pessoas que o conheceram. Por isso, nem a eternidade será capaz de fazer esquecer sua memória. Com carinho, dizemos adeus e também obrigado por tudo. Obrigado José Milbs Gama pela influência e ensinamentos. Macaé sem dúvida perdeu uma grande pessoa”.

O músico, poeta e memorialista, criador do Observatório da Memória Macaense, Rúben Pereira, ressaltou que a morte de José Milbs Lacerda Gama significa a morte do terceiro grande arauto da imprensa combativa dos últimos 50 anos de Macaé. “A gente perdeu há poucos anos Xico Almeida, da Tribuna de Macaé, há pouco tempo também morreu Luis Ernesto Oliver, o Ernestinho, do Jornal da Cidade e agora José Milbs. Os três,  na minha opinião,  eram os grandes arautos dos últimos 50 anos. Essa simbologia dos três é muito forte. Porque Ernestinho, Xico e José Milbs significaram, nos últimos 50 anos, a presença muito forte, bonita de um jornalismo vivo em Macaé”.

 

 

 

 

 

 

Mais lidas da semana