Mídias Sociais

Cultura

Em São Pedro da Aldeia, 1º Museu do Sal do Brasil é entregue à população da cidade

Publicado

em

 

Daniela Bairros

 

O 1º Museu do Sal do País foi concluído em São Pedro da Aldeia, na Região dos Lagos, foi concluído e entregue à população aldeense. Localizado às margens da RJ-140, no bairro Balneário, as obras do museu foram executadas com recursos federais e municipais e foram entregues na última quarta-feira, dia 30 de dezembro.

O Museu Regional do Sal Manoel Maria Mattos vai mostrar aos visitantes imagens e objetos com as formas de produção dessa indústria e cultura, que teve seu auge nas décadas de 50 e 60. No salão de exposição, ficarão expostos objetos referentes às salinas, como rodos, moinhos, carrinhos e outros, além da estátua de um salineiro em tamanho natural.

Doação

O Museu foi construído em área doada pelo empresário Jacyr Mattos da Silva, herdeiro dos pioneiros da indústria salineira na região. Ele participou ativamente das etapas de organização do novo ponto turístico e cultural da cidade.

“Estou feliz e emocionado. Meu pai e meu avô certamente ficariam orgulhosos dessa minha decisão que representa uma forma de agradecimento à sociedade que nos recebeu de braços abertos e nos adotou desde nossa chegada de Portugal, há mais de um século", afirmou.

A história do sal

No século XVIII, existiam nove salinas na região. A primeira  a ser construída foi a Perynas, em Cabo Frio, que sobrevive até hoje. Mais tarde, a produção cresceu e havia cerca de 120 salinas em toda Região dos Lagos. No início dos anos 40, as salinas da Lagoa de Araruama estavam entre as maiores produtoras de sal do país.

De  acordo com o pesquisador e assessor especial da Secretaria Adjunta de Turismo, Geraldo Ferreira, a história do sal na região tem início no século XVII, quando os índios observaram que, em determinados pontos da Lagoa de Araruama, nas temporadas sem chuva, formavam-se montes de sal, o que gerou competição com a Coroa Portuguesa, que tinha seu próprio sal e proibiu a concorrência. No século XIX, a cultura do sal foi liberada e iniciou-se o processo de instalação de salinas, tecnologia do moinho e outras, que foi acelerado nos meados do século XX.

"Chegamos a ter 70 salinas em São Pedro da Aldeia e cerca de 130 em toda região. Hoje, não temos mais nenhuma na cidade e apenas uma em funcionamento em Cabo Frio. Temos duas causas principais para isso: a concorrência com a indústria salineira do Rio Grande do Norte e a construção da Ponte Rio Niterói, que alavancou o mercado imobiliário na região, fazendo com que muitos salineiros preferissem desativar suas salinas e investir no mercado ascendente" explicou Geraldo.

Crédito: Divulgação

Mais lidas da semana