Mídias Sociais

Cultura

Em Macaé, “Café Literário será apresentado nesta terça-feira (30) em comemoração ao Dia do Ferroviário

Daniela Bairros

Publicado

em

 

O evento será às 19h no Solar dos Mellos, Museu da Cidade, e tem objetivo de divulgar a história dos trilhos que cortam a cidade.

 

Da redação

Em Macaé, mais uma edição do “Café Literário” será realizado nesta terça-feira, dia 30, em comemoração ao Dia do Ferroviário. O evento será às 19h no Solar dos Mellos, Museu da Cidade, e tem como objetivo divulgar a história dos trilhos que cortam a cidade.

Na programação do evento, uma roda de conversa com a participação de ferroviários aposentados de Macaé, além da contação de causos, um estande para mostra provisória fotográfica, bibliografia e de peças do acervo ferroviário será montado nos jardins do museu. No evento também estandes de gastronomia e o tradicional sarau de poesia. O sarau, que será coordenado pelo produtor do encontro de poesia, “Língua do P”, Gerson Dudus, terá a participação deste e de outros grupos literários da cidade e ainda de estudantes do ensino médio.

Uma Roda de Conversa com a participação de ferroviários aposentados em Macaé está na programação. Além da “contação de causos”, um estande para mostra provisória fotográfica, bibliografia e de peças do acervo ferroviário será montado nos jardins do museu. Estandes de gastronomia e o tradicional sarau de poesia também estão confirmados. O sarau, coordenado pelo produtor do encontro de poesia, ‘Língua do P’, Gerson Dudus, terá a participação deste e de outros grupos literários da cidade e ainda de estudantes do Ensino Médio.

Histórias nos trilhos

A história dos trilhos que marcam a cidade é dividida em quatro períodos: a da Estrada de Ferro Macaé a Campos (1873-1890), a da compra pela Estrada de Ferro Leopoldina (1890-1975), a da aquisição pela sociedade de economia mista integrante da Administração Indireta do Governo, a Ferrovia Centro Atlântica S/A, mais conhecida como FCA (1975-1996) e o período no qual está inativa, de 1996 até os dias atuais.

Ainda no seu primeiro período, a E.F. Macaé-Campos fazia a ligação entre o Porto de Imbetiba, que era o quinto em movimentação de carga do país, a Niterói, para escoamento de toda a produção agrícola da região Centro-Norte Fluminense. A inauguração da ferrovia, de maior rapidez e menor custo de operação, conduziu ao rápido declínio da importância do canal Campos-Macaé, que entrou em decadência.

No segundo período, as linhas interligadas já alcançavam o porto do Rio de Janeiro. Da Estação Conde de Araruama, em Macaé, saiam outros dois ramais, além do para Imbetiba: um no sentido de Rio das Ostras e outro para o distrito serrano de Glicério. Até o início dos anos 1980, trens de passageiros vindos do Rio de Janeiro e de Niterói utilizavam a ferrovia. Durante a última fase, alguns cargueiros ocupavam o pátio da estação macaense, cujo prédio foi inaugurado pelo Presidente Juscelino Kubitscheck, em 1957.

Para apresentar mais histórias que se entrelaçam aos trilhos, os portões do Solar dos Mellos, localizado na Rua Conde de Araruama, 248, no Centro, estarão abertos. A entrada é franca e não é necessária inscrição prévia para participar deste Café Literário. O evento está sujeito a cancelamento, caso se confirme a previsão de chuva.

Crédito: Rui Porto Filho


 

Mais lidas do mês