Mídias Sociais

Cultura

Brasileira e que atualmente mora na Itália relata como está a região onde reside e pede para que brasileiros se protejam contra a Covid-19

Daniela Bairros

Publicado

em

 

Rua onde a brasileira Ilcilene de Oliveira mora, em Piemonte, na Itália, totalmente deserta

 

Em Turin, a população também está em quarentena, isolamento social

 

 

Daniela Bairros

O número de mortes causadas pelo Coronavirus chega a 6.078 em todo o país, segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde). A mortalidade tem sido grande entre os idosos com mais de 60 anos. Desde o início do surto no país, medidas foram adotadas, entre elas, o isolamento social, fechamento de bares, restaurantes, hotéis, metrôs, entre outras.

O medo e o aumento de mortes preocupa a população, entres eles, brasileiros que moram na Itália. A brasileira, natural do Rio de Janeiro, e que mora na região de Piemonte, Ilcilene de Oliveira, 40 anos, relatou que ela, o marido e toda família está em regime de quarentena, de isolamento social. A brasileira afirnou ainda que muitas ruas estão desertas, incluindo Turin. A preocupação atual, segundo ela, é com a sogra, que têm 80 anos de idade. "Ela está sozinha. O meu marido e o irmão dele estão revezando para fazerem compras para ela. Porque se eu for pega fora do lugar da minha residência, pago multa ou posso responder por estar contribuindo para a propagação do vírus", relatou. Devido à crise do coronavirus no país, de acordo com Ilcilene, todos os exames de saúde da sogra tiveram que ser cancelados. A medida adotada tem sido a quarentena.
Há dois anos morando na região fe Piemonte, que de acordo com a brasileira, está localizada a 200 quilômetros de onde estão sendo registrados os casos, Ilcilene pede aos brasileiros que fiquem em casa, se protejam e se previnam contra o coronavirus, para que a situação não seja igual à Itália. " Eu tenho, diariamente, falado com a minha família no Rio e graças a Deus, estão todos bem. Meu medo é que no Brasil aconteça o que está acontecendo aqui. Porque aqui, mesmo com todas as estruturas, está morrendo muita gente. E aqui fabricamos respiradores e o Brasil nao, precisa importar. Então, fiquem em casa, adotem todas as medidas impostas pelas autoridades. Tenham cuidado. É dificil ficar isolada, mas é preciso. Eu, que trabalho em uma estrutura hoteleira, estava cansada, querendo férias, querendo descansar. E agora, vejo q preocupação de muitos em ficar sem trabalho".

Para ela, o momento não é de desespero, e sim de fé e paciência. " Eu tenho fé de isso vai passar, mas temos de fazer a nossa parte, ficando em casa, sem desespero, sem pânico", concluiu.

Crédito: Divulgação

 

 

Mais lidas da semana