Mídias Sociais

Cidades

Superintendência de Políticas Públicas LGBTQ+ de Cabo Frio cria Canal de Denúncia contra Homofobia

Thaiany Pieroni

Publicado

em

 

A Superintendência de Políticas Públicas LGBTQ+ lançou um Canal de Denúncia contra a homofobia. Por meio do aplicativo de mensagens Whatsapp, as vítimas ou quem presenciar qualquer ato de violação dos direitos contra pessoas motivadas pela orientação sexual podem entrar em contato.

Para Matheus Cardoso, superintendente da pasta, o canal irá aproximar a população LGBTQ+ e diminuir os casos de violência na cidade. “A implantação desse organismo em defesa da comunidade LGBTQ+ agirá positivamente na diminuição desses casos. Além disso, a participação da população, principalmente para denunciar os casos de homofobia que possam ocorrer no município, tem como objetivo também de promover a conscientização do tema.” diz Matheus.

As denúncias podem ser enviadas pelo WhatsApp (22) 99225-6758.

Em junho deste ano, o Superior Tribunal Federal (STF) criminalizou a homofobia,  equiparando as penas por ofensas aos homossexuais e aos transexuais às previstas na lei contra o racismo. Em Cabo Frio, desde 2008, foram registradas mais de 30 mortes por homofobia.

 

Superintendência de Políticas Públicas LGBT+ é recém criada - A Superintendência de Políticas Públicas LGBT+ foi criada recentemente com o objetivo de garantir o direito da causa LGBT.

Quem assumiu a Superintendência de Políticas Públicas LGBT+ é Matheus da Silva Cardoso, que agradeceu ao prefeito pela confiança e prometeu se empenhar para garantir ainda mais conquistas.

“Essa é uma grande vitória! Estamos fazendo história em Cabo Frio, mas ainda precisamos trabalhar muito por mais igualdade, respeito e oportunidades para a comunidade LGBT+”, disse Matheus.

O Prefeito reiterou seu compromisso com a construção de uma sociedade mais justa, sem discriminação e violência, e prometeu olhar com atenção às demandas ligadas à nova Superintendência.

"O mais importante e que todos possam viver em paz em nossa cidade, com respeito e oportunidades iguais. Estamos trabalhando para isso”, declarou.

Mais lidas da semana