Mídias Sociais

Cidades

Secretaria de Saúde de Cabo Frio alerta para possibilidade de aumento de casos de doenças transmitidas pelo Aedes aegypti

Thaiany Pieroni

Publicado

em

 

A Secretaria de Saúde de Cabo Frio emitiu um alerta à população sobre a possibilidade de aumento dos casos de dengue, zika, chikungunya e febre amarela, todas doenças causadas pelo mosquito Aedes aegypti.

De acordo com a Secretaria, somente este ano, Cabo Frio teve 152 notificações de dengue, das quais 11 foram confirmadas, enquanto no ano passado foram 42 notificações com 11 confirmações. Em relação à chikungunya foram 34 notificações em 2018 com 26 confirmações, contra 157 notificações deste ano com 21 confirmações. Os dados estão sujeitos à revisão, uma vez que o Departamento de Saúde Coletiva de Cabo Frio aguarda a confirmação de resultados que foram enviados ao Laboratório Central de Saúde Pública Noel Nutels (Lacen/RJ).

O município destaca que para mudar esse cenário é necessário que a população triplique os cuidados contra o mosquito. "É fundamental que a população faça sua parte, inclusive denunciando locais onde haja recipientes com água que favoreçam a reprodução dos mosquitos. Mais importante que o repelente de citronela é os moradores não permitirem ambientes para as larvas, que se transformam em mosquito e vão transmitir todas essas doenças. Eliminar diariamente qualquer local que acumule água é a medida mais eficaz contra o aedes", alertou a médica Lucy Pires, da Saúde Coletiva de Cabo Frio.

Para combater as doenças provocadas pelo Aedes é necessário que o combate seja feito o ano inteiro, diariamente, pelos moradores dentro das casas e nos quintais, já que a mais recente Nota Técnica [04/2016] do Instituto Oswaldo Cruz e Fundação Oswaldo Cruz (IOC/FOC) explica que 80% dos criadouros estão dentro das residências.

O Aedes aegypti é doméstico, vive dentro de casa e perto do homem. Com hábitos diurnos, o mosquito se alimenta de sangue humano, sobretudo ao amanhecer e ao entardecer. Por isso, é importante o uso de telas em janelas e portas, mosquiteiros, roupas compridas, além de uso de repelente nas partes expostas do corpo, aumentando a área de proteção. Além disso, é necessário toda atenção para evitar qualquer tipo de ambiente propicio a proliferação do inseto.

Mais lidas do mês